quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Urtiga-morta (Mercurialis annua)

Urtiga-morta (Mercurialis annua L.)
Planta herbácea anual da família Euphorbiaceae, embora nativa da Europa, é considerada subcosmopolita, pois pode encontrar-se noutros continentes como espécie introduzida (Fonte).
Tanto ocorre em terrenos cultivados, como incultos, surgindo também em fendas de muros (caso da planta das imagens) entre rochedos e na orla de caminhos, desde que nesses locais exista alguma humidade.
É uma espécie dióica:  cada planta só apresenta flores masculinas (como na imagem) ou flores femininas. 
É também conhecida pelas designações vulgares de Barradoiro, Erva-mercúrioUrtiga-bastarda.
(Clicando nas imagens, amplia)

7 comentários:

Isa GT disse...

Já passei por aqui... mas voltei cá porque não resisto a contar, talvez, uma coisa que as pessoas não saibam.
Há uns anos li um livro de culinária de um vegetariano que aconselhava a fazer sopa de urtigas, utilizando apenas as folhas, que deveriam ser apanhadas em locais preferencialmente sem poluição e onde não existam animais como gado ou gatos que as possam contaminar.
Depois com essas folhas bastaria fazer a receita da tradicional sopa de nabiças, o puré da batata e da cebola, as folhas e o azeite.
Apesar de eu não ser de grandes aventuras culinárias... experimentei e, realmente, se eu conseguisse esquecer a parte psicológica de estar a comer urtigas, não é nada má a sopinha e as folhas acabam por ficar mais macias que as de nabiça :)

Bjos

Francisco Clamote disse...

Grato, Isa, pela receita. Quem sabe se um dia destes não vou experimentar as urtigas verdadeiras que não estas que, ao que parece, são tóxicas.

Isa GT disse...

Ainda bem que me avisas que há as tóxicas... pelos vistos, já escapei de boa lol lol

Bjos

Francisco Clamote disse...

Isa, não é caso para preocupações, pois a "Urtiga-morta" (Mercurialis annua)não é uma verdadeira urtiga. As várias espécies de verdadeiras urtigas pertencem ao género "Urtica" e estas, tanto quanto sei, não são tóxicas. Aliás, já não é aprimeira vez que ouço dizer que são utilizáveis na confecção de sopas. O que impressiona mais, à primeira vista, são os "picos" que a cozedura, pelos vistos, neutraliza.

Isa GT disse...

Eu também não acreditava que ficassem tão macias como as nabiças e, realmente, as nabiças também não são tão macias como os espinafres... até lembram mais as urtigas... sem picar tanto claro.

Paulo Emanuel disse...

Caro senhor Francisco
Talvez me possa ajudar a esclarecer uma dúvida.

Estive recentemente no Rio Guadiana entre Mértla e Alcoutim e ouvi um pescador local a referir-se a uma certa "erva-cagona" empregue contra a prisão de ventre pelas populações locais.

Pesquisando pela net encontrei apenas um documento que refere esse nome em http://portal.icnb.pt/NR/rdonlyres/1DC420EF-9981-4138-BBAB-FE9077838786/0/RNSCMEtnobotanica_2006.pdf onde se indica também além do nome científico outra designação popular: urtiga-morta.

Foi por este nome de urtiga morta que procurei na net, porém não encontrei em nenhuma das muitas págnas que visitei qualquer referência e este suposto uso medicinal desta planta.

Será que tem conhecimento de algo relacionado com isto?
Agradeço desde já a sua ajuda para satisfazer esta minha curiosidade.

Paulo Emanuel

Francisco Clamote disse...

Caro Pedro Emanuel:
Infelizmente, não disponho de nenhuma informação sobre a "erva-cagona" e para dizer a verdade nunca tinha visto, nem ouvido tal designação. O mais que lhe posso adiantar é que essa designação não figura no "Portugal Botânico de A a Z" que é o livro que me serve de guia nesta matéria.
Cumprimentos.