domingo, 5 de fevereiro de 2023

Araçá (Psidium cattleyanum)







Araçá ou Araçá-rosa * (Psidium cattleyanum Sabine)
Pequena árvore muita ramificada, que, por via de regra, não ultrapassa 6 m. de altura.
Família: Myrtaceae;
Tipo biológico: fanerófito;
Distribuição: planta originária do Brasil, entretanto introduzida e naturalizada nas regiões tropicais do oceanos Índico e Pacífico e com tanto êxíto que, nessas regiões, é, com frequência, considerada como planta invasora.
Em Portugal ocorre apenas nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, onde terá sido introduzida, a meu ver, sobretudo para fins ornamentais. Nestes arquipélagos a planta não assume, no entanto, características de planta invasora.
Nota: os frutos são comestíveis, podendo ser consumidos, quer em natureza, quer depois de transformados em geleia ou noutros produtos doces.
* Outros nomes em uso no Brasil: "araçá-de-coroa, araçá-da-praia, araçá-de-comer, araçá-do-campo, araçá-do-mato, araçá-pera, araçapiranga ou araçá-vermelho" (fonte)
(Avistamento: Ilha de S. Jorge - Açores; 24 - Julho - 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2023

Fagopyrum dibotrys




Fagopyrum dibotrys (D.Don) Hara
Erva rizomatosa, perene, com caules erectos, muito ramificados, glabros, podendo atingir até cerca de 100cm de altura; folhas pecioladas, com limbo triangular, hastado ou cordado na base e acuminado no ápice; ócreas com 8 a 15 mm; flores com tépalas brancas, agrupadas em inflorescências corimbosas, terminais ou axilares; frutos (nozes) trígonos, com ângulos agudos e com 6 a 8 mm de comprimento.
Tipo biológico: geófito;
FamíliaPolygonaceae;
Distribuição: planta originária da Ásia (China, Butão, Nepal, Índia, Paquistão, Birmânia e Vietname) introduzida noutras partes do globo, designadamente na Europa, América do Norte e Nova Zelândia.
Em Portugal ocorre apenas como espécie introduzida e circunscrita ao arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat (Açores): "Bermas de estrada, terrenos ruderalizados, clareiras de bosques de incenso" (fonte).
Floração (Açores): de Julho a Setembro.
(Avistamento: Ilha de S. Jorge (Açores); 24 - Julho 2017)
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2023

Aster squamatus






Estrela-comum ou Mata-jornaleiros [Aster squamatus (Sprengel) Hieron]
Erva anual ou bienal, glabra, com caule erecto, podendo atingir até cerca de 100 cm de altura; folhas lineares ou linear-lanceoladas, inteiras, sésseis; flores liguladas, as exteriores, tubulosas, as do centro, agrupadas em pequenos capítulos dispostos em panículas pouco densas; frutos: cipselas com papilho.
Tipos biológicos: terófito ou hemicriptófito;
Família: Asteraceae (Compositae);
Distribuição: planta nativa da América Central e da América do Sul. Introduzida e naturalizada na Europa. Em Portugal, onde tem comportamento e estatuto de espécie invasora (Decreto-Lei nº 92/2019, de 10 Julho), ocorre em todo o território do Continente e também nos arquipélagos dos Açores e da Madeira.
Ecologia/habitat: planta ruderal, com ocorrência em bermas de estradas e caminhos, baldios, ruas, praças e sítios perturbados em zonas urbanas; e em terrenos salgadiços.
Floração: De Maio a Novembro.
(Avistamento: Foz do Arelho (Caldas da Rainha) ; 29 - Agosto - 2012)
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 28 de janeiro de 2023

Planta-espelho (Coprosma repens)


Planta vulgarmente designada por Planta-espelho (com o nome científico de Coprosma repens A. Rich. ( sin. Coprosma baueriana Hook. f.; Coprosma baueri auct. non Endl. ; Coprosma retusa Hook. f; e Coprosma stockii Williams)] é originária da Nova Zelândia. É cultivada noutras paragens, incluindo em Portugal, como planta ornamental, sendo conhecidas diversas variedades.
Classificação: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Gentianales; Família: Rubiaceae; Género: Coprosma; Espécie:Coprosma repens.
(Avistamento: Almada: 28. Janeiro - 2023)
(Clicando sobre as imagens, amplia)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

Ésula-menor (Euphorbia exigua)

Ésula-menor ou Titímalo-menor (Euphorbia exigua L.)
Planta anual, glabra; caules com 2 a 30 cm, folhosos, geralmente erectos, eventual e raramente prostrados, simples ou ramificados desde a base, com ou sem ramos laterais férteis; folhas com formas variadas: lineares. linear-elípticas, linear-cuneiformes, ou elípticas; sésseis ou subsésseis; inteiras com ápice que pode ser agudo, obtuso, retuso, emarginado ou tricúspide; pleiocásio com 2 a 5 raios, bifurcados 1 a 3 vezes; ciátio com nectários amarelados ou avermelhados, com 2 apêndices divergentes; fruto ovóide ou subgloboso, com sulcos pouco pronunciados, com lóculos arredondados, marcados com pontos ao longo da linha dorsal; sementes subovóides, castanho-acinzentadas ou esbranquiçadas, podendo apresentar-se: 
i. pouco ou nada comprimidas, sem sulcos transversais, mas com tubérculos cónicos ou cilíndricos (caraterísticas próprias da subespécie nominal: Euphorbia exigia subsp. exigua L.)
ii.  ou fortemente comprimidas, com 2 a 4 largos sulcos tranversais e, eventualmente, algum túberculo (características da subespécie Euphorbia exigua subsp. merinoi M.Laínz)
Tipo biológico: terófito;
Família: Euphorbiaceae;
Distribuição: Europa, Oeste da Ásia, Norte de África e Macaronésia.
Em Portugal a subespécie nominal ocorre, como espécie autóctone, em todo o terrítório do Continente, bem como no arquipélago da Madeira e, como espécie introduzida, no arquipélago dos Açores. A subespécie merinoi tem uma distribuição mais limitada, pois apenas é dada como ocorrendo, como planta autóctone, em parte do território do Continente.
Ecologia/habitat:
i. para a subespécie nominal: pastagens anuais em solos pobres, frequentemente ruderalizados, como baldios, bermas de estradas e caminhos, a altitudes até 1700m. Indiferente à natureza do solo.
ii. para a subespécie merinoi: pastagens anuais em solos de origem calcária, xistosa, arenosa ou serpentínica, a altitudes desde 30 até 700 m.
Floração: de Março a Julho.
(Avistamento: Almada; 15 - Abril - 2021)
(Clicando sobre as imagens, amplia)

segunda-feira, 23 de janeiro de 2023

Inaugurando a época das orquídeas: Salepeira-grande (Himantoglossum robertianum)


Salepeira-grande [Himantoglossum robertianum (Loisel.) P. Delforge] 
Família: Orchidaceae;
Sinonímia: Orchis robertiana Loisel.; Barlia robertiana (Loisel.) Greuter;
Mais informação: aqui.
[Avistamento: Costa da Caparica (Almada); 23 - Janeiro - 2023]
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 20 de janeiro de 2023

Aroeira (Pistacia lentiscus)







AroeiraLentisco e  Lentisqueira são alguns dos nomes comuns dados a esta planta em Portugal, com o nome científico de Pistacia lentiscus L. 
Pertence à Classe das Magnoliopsida; Ordem: Sapindales; Família: Anacardiaceae; Género: Pistacia.
É um arbusto de folha persistente que cresce espontaneamente em toda a região mediterrânica e nas Ilhas Canárias, em terrenos secos e de matagal. É uma planta dióica. Os seus frutos são pequenos não tendo mais que 4 ou 5 mm de diâmetro e, pelo menos em Portugal, tanto quanto sei, não são utilizados para qualquer finalidade.
Desta planta extrai-se, no entanto, através de cortes no tronco, uma resina aromática denominada almácega que na época clássica era utilizada como goma de mascar, sendo ainda usada actualmente no fabrico de cosméticos e licores, em medicina dentária e em pastelaria e confeitaria.
A Aroeira também vem sendo utilizada como planta ornamental.
Como curiosidade, assinale-se que existe na freguesia da Charneca da Caparica, concelho de Almada, uma zona a que foi dado o nome de "Aroeira".
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2023

Reseda lutea subsp. lutea









Reseda lutea subsp. lutea L. *
Planta anual ou perenizante, multicaule, com talos erectos ou ascendentes, papilosos, ramificados desde a base, podendo atingir até cerca 100cm de altura; folhas basais dispostas em roseta, pecioladas, em geral, inteiras; as caulinares trisectas, com segmentos lineares ou linear-lanceolados com margem plana ou ondulada, papiloso-escábrida, por vezes, com um ou vários dos segmentos bissectos; inflorescência em cacho especiforme, densa; flores com 6 sépalas persistentes e 6 pétalas unguiculadas, amarelas; cápsula (fruto) erecta, por vezes, pêndula, cilíndrica ou oblonga, papilosa ou glabra, trígona, truncada no ápice e ligeiramente tridentada; sementes ovóides, lisas, escuras, brilhantes, carunculadas, com carúncula bem marcada.
Tipos biológicos: terófito ou hemicriptófito;
Família: Resedaceae;
Distribuição: Centro, Sul e Oeste da Europa, Norte de África, Sudoeste da Ásia e Macaronésia. Introduzida e naturalizada na América.
Em Portugal, ocorre como espécie autóctone apenas no território do Continente, de forma dispersa, sendo mais comum nas regiões a sul do Tejo (Algarve, Alto e Baixo Alentejo, Estremadura e Ribatejo), sendo rara nas regiões a norte do Tejo e mesmo inexistente em algumas delas.
Ecologia/habitat: planta arvense, viária e ruderal, presente em campos cultivados e incultos, baldios, bermas de estradas e caminhos, com preferência por solos básicos, a altitudes até 1600m.
Floração: ao longo de quase todo o ano, com maior intensidade de Março a Agosto.
* Sinonímia: Reseda ramosissima Pourr. ex Willd.
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2023

Orelha-de-lebre (Plantago lagopus)






Orelha-de-lebre * (Plantago lagopus L.)
Erva anual, por vezes, perene, geralmente acaule, tendo, no entanto, às vezes, um caule reduzido, com entrenós até 10mm; folhas dispostas em roseta basal, lanceoladas, agudas, com margens inteiras ou denticuladas e limbo com 3 a 7 nervuras e com pubescência mais ou menos acentuada; flores diminutas, agrupadas em inflorescências em espiga, densas e sedosas.
Tipos biológicos: terófito ou hemicriptófito;
Família:Plantaginaceae;
Distribuição: Região Mediterrânica.
Em Portugal ocorre, como espécie autóctone em boa parte do território do Continente, sendo, no entanto, rara nas regiões a norte do Tejo, a ponto de não haver, no portal da SPBotânica (Flora.on) registo de avistamentos da espécie no Minho e no Douro Litoral. Como espécie introduzida ocorre também no arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat: prados e pastagens anuais e outros relvados, em sítios algo nitrificados, mais ou menos secos, a altitudes até 1000m.
Floração: de Março a Julho.
*Outros nomes comuns: Língua-de-ovelha, Erva-da-mosca.
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 10 de janeiro de 2023

Cabeleira-de-coquinho (Lotus loweanus)









Cabeleira-de-coquinho (Lotus loweanus Webb & Berthel.)
Planta com base lenhosa e hábito prostrado, em forma de tapete, mais ou menos extenso, por vezes,  parcialmente submerso sob as areias das dunas onde tem o seu habitat mais comum.
Tipo biológico: proto-hemicriptófito;
Família: Fabaceae;
Distribuição: Planta endémica da ilha de Porto Santo (arquipélago da Madeira).
Ecologia/habitat: dunas e outros terrenos secos e arenosos próximos do mar.
Floração: de Março a Junho.
(Avistamento: ilha de Porto Santo; 15 - Maio - 2022)
(Clicando sobre as imagens, amplia)