sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Algodoeiro-falso (Gomphocarpus fruticosus)










Algodoeiro-falso * [Gomphocarpus fruticosus (L.) W.T.Aiton **]
Pequeno arbusto (1 a 2m) (tipo biológico: fanerófito), perenifólio, frequentemente multicaule, com caules erectos; folhas inteiras, aproximadamente lineares; flores com corola lobular branca ou amarela agrupadas (3 a 15) em inflorescências sob a forma de umbelas axilares; frutos em forma de folículos apiculados contendo, por via de regra, mais de 120 sementes, aladas, providas de penachos com pêlos sedosos.
Morfologicamente é muito semelhante ao seu congénere Gomphocarpus physocarpus E. Mey. [Sin.: Asclepias physocarpa (E.Mey.) Schlechter], não sendo fácil para um não especialista distingui-los a não ser através da observação dos frutos: folículos apiculados no caso do Gomphocarpus fruticosus e globosos no caso do Gomphocarpus physocarpus.
Família: Apocynaceae:
Distribuição: espécie originária da África Austral, é actualmente cultivada como planta ornamental e encontra-se naturalizada em muitas outras regiões subtropicais e temperadas quentes. Em Portugal há registos da sua presença, como espécie introduzida e naturalizada, quer no Continente, quer nos arquipélagos dos Açores e da Madeira.
Ecologia/ habitat: ribanceiras, margens de cursos de água, marismas, terrenos perturbados, bermas de estradas e caminhos.
Floração: de Março a Novembro. 
* Outros nomes comuns: Sedas; Sumaúma-bastarda
**Sinónimo: Asclepias fruticosa L. (Basónimo)
(Local e data: Almada; Outubro - 2014)

quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Pycnocomon intermedium









Pycnocomon intermedium (Lag.) Greuter & Burdet   
Erva perene (tipo biológico: caméfito) da família Dipsacaceae, frequentemente multicaule, com caules mais ou menos erectos, ramificados, que podem atingir até 90 cm; folhas com formas diversas, desde penatipartidas ou penatissectas a inteiras; flores desiguais (as externas com maiores dimensões), todas com corola geralmente rosada, agrupadas em capítulos localizados no extremo de longos pedúnculos.
Distribuição: é um endemismo ibérico que ocorre no Sul e Sudoeste da Península. Em Portugal está presente no Algarve, Alto e Baixo Alentejo e Estremadura.
Ecologia/habitat: terrenos de pastagem em solos arenosos do litoral e do interior, a altitudes até aos 250m.
Floração: de Abril a Agosto.
[Locais e datas:  Lagoa  de Albufeira;  Junho/Julho - 2014)

terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Allium scorzonerifolium







Allium scorzonerifolium Desf. ex DC.

Erva perene, bulbosa (tipo biológico: geófito) da família Amaryllidaceae, com bolbo de ovóide a subgloboso, em regra, solitário; caule com 14 a 36 cm; folhas (2 a 4) dispostas ao longo do terço inferior do caule, lineares ou linear-lanceoladas; flores com tépalas amarelas agrupadas em inflorescências semi-esféricas, lassas. 
Distribuição: Península Ibérica e Norte de Marrocos.
Presente em Portugal, no território do Continente (Beira Alta, Beira Baixa, Beira Litoral, Minho e, possivelmente também no Douro Litoral e Trás-os-Montes). Inexistente nos arquipélagos da  Madeira  e dos Açores.
Ecologia/habitat: Relvados húmidos; plataformas rochosas; carvalhais e pinhais, a altitudes entre os 200 e os 1400m.
Floração; de Março a Julho.
[Local e data: Serra do Açor (coord. 40.13996;-7.89295); 26 - maio - 2014]
(Clicando nas imagens, amplia)
Lugar onde:

sábado, 18 de Outubro de 2014

Phytolacca heterotepala








Phytolacca heterotepala H.Walter 
Planta perene (tipo biológico: hemicriptófito) glabra, com caules suberectos, pode atingir até cerca de 3 m. 
Morfologicamente tem algumas semelhanças com a sua congénere Phytolacca americana, com a qual pode pode ser confundida.  Apresenta, no entanto, algumas características que permitem distinguir as duas espécies. O portal da SPBotânica  (Flora.on) chama a atenção para o facto de as flores da  Ph. heterotepala apresentarem tépalas diferentes (em regra, duas são mais estreitas que as restantes - característica donde deriva, certamente, o epíteto específico de heteropetala) ao passo que Ph. americana tem flores com tépalas semelhantes. Por outro lado  (e socorro-me da mesma fonte) as flores da Ph. heterotepala têm normalmente bem mais do que 10 estames, número que a congénere não ultrapassa. Referiria ainda o porte diferente das duas espécies: erecto na Ph. americana e suberecto na Ph. heterotepala .
Distribuição: A espécie é originária do México e do Oeste dos Estados Unidos. Está presente em Portugal (Estremadura, Beira Litoral e Douro Litoral) como espécie naturalizada, embora, atendendo ao reduzido número de registos existentes no citado portal (9, nesta altura) seja rara, ao contrário da Ph. americana que é muito comum e considerada como planta daninha, pelo menos, nalgumas regiões, 
Habitat:  terrenos abandonados junto de núcleos urbanos, berma de estradas e caminhos.
Floração; de Março a Novembro.
(Local e data: Almada; 15 - Outubro - 2014)

segunda-feira, 13 de Outubro de 2014

Plumeria obtusa


Plumeria obtusa L.

Arbusto ou pequena árvore (5-8m) da família Apocynaceae. Espécie nativa das Grandes Antilhas, Flórida, norte da América Central e do sul do México, actualmente cultivada como planta ornamental em todas as regiões tropicais do globo. 
(Local e data: Galle - Sri Lanka; 24 - Agosto - 2014)
(Clicando na imagem, amplia)

domingo, 12 de Outubro de 2014

Cleome rutidosperma



Cleome rutidosperma DC.
Erva anual, da família Cleomaceae,  pode atingir até cerca de 1 m de altura. Planta originária da África Tropical, é actualmente considerada como planta invasora em regiões tropicais da Ásia e  da Austrália, onde terá sido introduzida, No Sri lanka, pode ser encontrada em relvados, terrenos baldios e à beira de estradas e caminhos.
(Local e data: Galle - Sri Lanka; 24 - Agosto - 2014)
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 11 de Outubro de 2014

Ipomoea obscura




Ipomoea obscura (L.) Ker Gawl
Erva anual, da família Convolvulaceae, nativa de algumas regiões de África, da Ásia e de ilhas do Pacífico, No Sri Lanka pode encontrar-se à beira de estradas e caminhos, em terrenos baldios e na orla de florestas. 
(Local e data: Sri Lanka; 23 - Agosto - 2014)

sexta-feira, 10 de Outubro de 2014

Algodão-da-praia (Thespesia populnea)







Algodão-da-praia [Thespesia populnea ( L. ) Sol. ex Corrêa]
Arbusto ou pequena árvore (3 a 10 m) da família Malvaceae . É uma espécie avistada frequentemente nas zonas costeiras das regiões tropicais. A sua madeira é utilizada para vários fins, designadamente para fabrico de móveis e diversos instrumentos, mas a sua importância económica deriva mais do facto de ser usada como planta ornamental e para estabilizar dunas costeiras, dado ter a capacidade de prosperar em solos arenosos e salgados e de resistir bem aos ventos marítimos,
No Brasil, onde está presente como espécie introduzida, é designada por "Algodão-da-praia", ou "Algodoeiro-da-praia".
(Local e data: Hikkadduwa - Sri Lanka; 24 - Agosto - 2014)
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 9 de Outubro de 2014

Amendoeira-da-praia (Terminalia catappa).





  Amendoeira-da-praia *(Terminalia catappa L.)
Árvore que pode atingir até cerca de 35 m de altura pertence à família Combretaceae. É considerada originária da Índia e da Nova Guiné, mas, actualmente, encontra-se nas regiões tropicais e subtropicais de todos os continentes, onde terá sido introduzida devido às suas características de planta ornamental, propiciadora de boa sombra. A árvore tem, no entanto, outros aproveitamentos; a madeira é resistente e de boa qualidade e os frutos não só são comestíveis como deles se extrai um óleo que é usado em culinária.

*No Brasil, onde é relativamente comum, sobretudo em regiões próximas do litoral, à semelhança, aliás, do que ocorre noutras zonas do globo, é conhecida por uma grande quantidade de designações comuns, tais como: Chapéu-de-sol,  Amendoeira, Amendoeira-brava, Amendoeira-da-índia, Amendoeira-do-pará, Amendoeira-tropical, Árvore-de-noz, Castanhola, Chapéu-de-praia, Cuca, Guarda-chuva, Guarda-sol, Noz-da-praia,
(Local e data: Hikkadduwa, Sri Lanka; 18 - Agosto - 2014)
(Clicando nas imagens, amplia)