sábado, 17 de agosto de 2019

Erva-mata-pulga (Odontitella virgata)







Erva-mata-pulga [Odontitella virgata (Link) Rothm. *]

Erva anual, pilosa, com caules erectos que podem atingir até 60 cm; folhas lineares, geralmente inteiras, podendo apresentar por vezes um par de pequenos dentes; flores com corola amarela, alaranjada no final da ântese, agrupadas em inflorescências geralmente curtas e densas.
Tipo biológico: terófito; epífito;
FamíliaOrobanchaceae;
Distribuição: endemismo ibérico, com ocorrência concentrada na metade ocidental da Península Ibérica. Em Portugal distribui-se por todo o território do Continente, ainda que de forma não uniforme.
Ecologia/habitat: clareiras e orlas de matos e bosques, em locais secos, frequentemente em substratos ácidos (xistosos, graníticos, quartzíticos e arenosos) e menos frequentemente em substratos básicos (calcários e serpentínicos), a altitudes até 1200m.
Floração: de Junho a Setembro.
*Sinonímia: Euphrasia virgata L. (Basónimo); Odontites virgatus (Link) Samp.; Odontites tenuifolia (Pers.) G. Don.
(Local e datas: Serra d'Aire; Junho - Julho  2019)

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

Euphorbia hyberna subsp. hyberna

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)

(8)

(9)
Euphorbia hyberna L. subesp. hyberna
Planta perene, rizomatosa, multicaule, com caules erectos, robustos, que pode atingir até 70 cm.
Tipo biológico: fanerófito; caméfito;
Família: Euphorbiaceae;
Distribuição: regiões atlânticas da Europa Ocidental.
Em Portugal ocorre apenas no território do Continente, com presença aparentemente limitada ao Minho e a Trás-os-Montes.
Ecologia/habitat: orlas e clareiras de bosques caducifólios, em solos férteis, com alguma humidade, a altitudes desde 900 a 1800m. 
Floração: de Abril a Julho.
[Local e data: Serra da Nogueira (Trás-os-Montes);  - Junho - 2018 (fotos 1, 2, 3 e 8); - Junho - 2019 (fotos restantes)]
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 4 de agosto de 2019

Exótica e invasora: Háquea-picante (Hakea sericea)






Háquea-picante * (Hakea sericea Schrad.)
Arbusto ou pequena árvore com copa irregular que pode atingir até 5 ou 6 metros de altura: folhas em forma de agulha, fortes, aguçadas; frutos lenhosos com 2 sementes aladas que, com frequência, permanecem no interior do fruto, sendo apenas libertadas quando a planta " é queimada ou morre" (fonte). 
Tipo biológico: fanerófito;
Família: Proteaceae;
Distribuição: originária do Sul da Austrália, encontra-se naturalizada em Portugal, como em vários outros países, onde foi introduzida sobretudo para utilização na formação de sebes vivas e também para fins ornamentais.
Ecologia/habitat: em Portugal, onde é considerada espécie invasora, distribui-se por boa parte do território do Continente, colonizando sobretudo sebes, bermas de estradas e caminhos, baldios e outros locais perturbados, bem como zonas florestais, apresentando-se particularmente "agressiva em áreas afectadas por incêndios florestais" (fonte).
Floração: de Janeiro a Abril.
* Outros nomes comuns: Háquea-espinhosa; Salina; Espinheiro-bravo.
(Local e data do avistamento: Fernão Ferro (Seixal); 1 - Julho - 2019)

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Pilosella galiciana









Pilosella galiciana (Pau) M.Laínz
Erva perene, sem estolhos ou com estolhos grossos, curtos e raros, quando excepcionalmente existam; folhas da roseta subcoriáceas, sem pêlos estrelados, nem glandulíferos, apresentando apenas alguns raros pêlos simples, dispersos sobretudo pelas margens do limbo; escapos com 1 a 4 capítulos com lígulas de amarelo claro na página superior e avermelhadas no verso.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Asteraceae; (Compositae)
Distribuição: endemismo ibérico com ocorrência limitada ao noroeste da Península Ibérica. 
Em Portugal a sua ocorrência parece circunscrita à Serra da Estrela (Beira Alta e Beira Baixa).
Ecologia/habitat: pastagens permanentes sobre solos siliciosos em zonas montanhosas, a altitudes desde 1200 a 2500m.  
Floração: de Junho a Agosto.
(Local e data do avistamento: Serra da Estrela; 12 - Julho - 2019)
(Clicando sobre as imagens, amplia)


sexta-feira, 19 de julho de 2019

Ervilha-dos-prados (Lathyrus pratensis)

 





Ervilha-dos-prados ou Chícharo-dos-prados (Lathyrus pratensis L.)
Erva perene, rizomatosa, pubescente, com caules de secção quadrangular, erectos ou decumbentes, em geral ramificados, que podem atingir até 70cm; folhas pecioladas, com 2 folíolos e  terminadas, pelo menos as médias e superiores, em gavinhas simples ou bifurcadas; inflorescências longamente pedunculadas, com 5 a 9 flores com corola amarela.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Fabaceae (Leguminosae)
Distribuição: Europa; Ásia (Norte, Centro e Sudoeste); e Norte de África. Presente também na América como espécie introduzida.
Em Portugal a sua ocorrência, encontra-se limitada, ao que parece, a Trás-os-Montes e à Beira e Alta.
Ecologia/Habitat: prados, bosques e orla de terrenos cultivados, em locais húmidos ou encharcados em zonas de montanha, a altitudes até 2200m. Indiferente à composição do solo.
Floração: de Maio a Setembro.
[Local e data do avistamento: Serra da Nogueira (Trás-os-Montes); 16 - Junho - 2019]

terça-feira, 16 de julho de 2019

Sagina saginoides





Sagina saginoides (L.) H.Karst. *
Erva perene, de reduzidas dimensões (3 a 12 cm) com caules numerosos, procumbentes, pouco ou nada ramificados; folhas lineares, as basais eventualmente falciformes; flores pentâmeras, com pétalas brancas, semelhantes às sépalas em comprimento, solitárias, dispostas no extremo de compridos pedicelos.
Tipo biológico: hemicriptófito;
FamíliaCaryophyllaceae;
Distribuição: encontra-se presente na Europa, Sudoeste da Ásia, Noroeste de África, América do Norte e Gronelândia.
Em Portugal está confinada à Serra da Estrela (Beira Alta e Beira Baixa), aparentemente a altitudes acima de 1700m.
Ecologia/habitat: turfeiras e prados húmidos em zonas de montanha, a altitudes entre 950 e 3000m.
Floração: de Abril a Setembro.
* Sinonímia: Spergula saginoides L. (Basónimo)
Nota complementar: Incluída na Lista Vermelha da Flora Vascular de Portugal Continental, na  categoria "Em Perigo".
(Local e data do avistamento: Serra da Estrela; 11- Julho - 2019)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 2 de julho de 2019

Allium pruinatum







Allium pruinatum Link ex Spreng.
Erva perene, bulbosa, glabra, com bolbo ovóide ou globoso, acompanhado, às vezes, por 1 a 3 bulbilhos; caule (19 a 50 cm) maciço, de secção circular; folhas (2 a 4) dispostas no terço inferior do caule, sem pecíolo, mas com bainha com cerca de 4 cm de comprimento e com limbo linear com 15 cm aproximadamente; inflorescência mais ou menos densa, com 16 a 39 flores; espata com 2 segmentos; flores com tépalas de cor púrpura; estames férteis incluídos no perianto (característica que claramente distingue esta espécie da congénere Allium sphaerocephalon com a qual é mais facilmente confundível).
Tipo biológico: geófito;
FamíliaAmaryllidaceae;
Distribuição: planta endémica da Península Ibérica, com ocorrência limitada ao  Sudoeste de Espanha (Províncias de Cáceres e Huelva) e ao Sul e Centro de Portugal Continental (Algarve, Alto e Baixo Alentejo, Estremadura, Ribatejo e Beira Litoral).
Ecologia/habitat: clareiras de pinhais, sobreirais e outros sítios secos, em solos arenosos, a altitudes até 700 m.
Floração: de Maio a Agosto;
[Local e data do avistamento: Fernão Ferro (Seixal); 1 - Julho - 2019]
(Clicando nas imagens, amplia)

Sedum pedicellatum subsp. lusitanicum





Sedum pedicellatum subsp. lusitanicum (Willk. ex Mariz) M.Laínz
Erva anual, suculenta, glabra, glauca, com caule erecto, ramificado, pelo menos, na parte superior; folhas ovado-cilíndricas; inflorescência com pedúnculo comprido; flores pêntameras com pedicelos mais compridos que o cálice e com pétalas brancas ou rosadas.
Trata-se de uma planta com reduzidas  dimensões (2 a 8 cm), podendo, em razão disso, passar despercebida mesmo ao observador mais atento.
Tipo biológico: terófito;
Família: Crassulaceae;
Distribuição: endemismo ibérico, com ocorrência em Portugal limitada à Beira Baixa, Beira Alta e Trás-os-Montes.
Ecologia/habitat: pastagens anuais de montanha sobre solos rochosos ou arenosos, a altitudes desde 600 até 2000 m.
Floração: de Maio a Agosto.
[Local e data do avistamento: Serra de Montesinho (Trás-os-Montes); 20 - Junho - 2019]
(Clicando nas imagens, amplia)