terça-feira, 29 de setembro de 2015

Albaida (Dorycnopsis gerardi)





Albaida ou Saudades [Dorycnopsis gerardi (L.) Boiss.]   
Erva perene (tipo biológico: hemicriptófito) com cepa lenhosa subterrânea, da qual emergem anualmente numerosas hastes que podem atingir até 200cm.
Família: Fabaceae;
Distribuição: Oeste da Região Mediterrânica. Em Portugal, conquanto não pareça ser particularmente abundante, distribui-se por praticamente todo o território do Continente. Inexistente nos arquipélagos dos Açores e da Madeira.
Ecologia: terrenos de matos e pastagens, quer em solos ácidos, como areias litorais e aluviais, arenitos e xistos, quer em solos básicos (calcários e margas), com frequência, mas não exclusivamente, na proximidade de cursos de água, a altitudes até 900m.  

Floração: de Maio a Julho.
(Local e data: Serra da Gardunha: 1 - Junho - 2015)

sábado, 26 de setembro de 2015

Arruda (Ruta angustifolia)









Arruda, ou Arrudão (Ruta angustifolia Pers.)
Erva perene (tipo biológico: caméfito) lenhosa na base, que pode atingir cerca de 1m de altura. Apresenta grandes semelhanças com a sua congénere Ruta chalepensis, razão por que alguns autores a consideram como uma subespécie desta. Apresenta, no entanto, algumas características permanentes que a distinguem da R. chalepensis, razão que leva outros autores a sustentar a tese de que se trata  duma espécie diferente. A este propósito é dado especial destaque às diferenças existentes nas inflorescências e nas brácteas das duas espécies: as brácteas são mais estreitas na R. angustifolia do que na R. chalepensis e enquanto que nesta a inflorescência é glabra, na R. angustifolia, a inflorescência é revestida por indumento denso formado por pêlos glandulíferos ainda que curtos.
Família: Rutaceae;
Distribuição: Sul da Europa, desde a Península Ibérica até aos Balcãs e Norte de África (Região do Magrebe)
Em Portugal, distribui-se por quase todo o território do Continente, sendo apenas duvidosa a sua ocorrência na Beira Alta.
Ecologia/habitat: orlas e clareiras de bosques e de matagais, terrenos de pastagem, geralmente, em locais com boa exposição solar, pedregosos e secos, principalmente em solos calcários ou argilosos, a altitudes até 1400m.
Floração: de Março a Julho.
(Local e data: Portas de Ródão (Vila Velha de Ródão); Abril - 2015)

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Pólio-vicentino (Teucrium vicentinum)








Pólio-vicentino (Teucrium vicentinum Rouy)
Pequeno arbusto (15 a 25 cm)(tipo biológico: caméfito), com caules ascendentes ou decumbentes, grossos, tortuosos, muito ramificados, apresentado a planta, no geral, um tom branco-acinzentado atribuível ao seu revestimento formado por pêlos densos, ramificados, macios, cotanilhosos,
Família: Lamiaceae:
Distribuição: endemismo lusitano, com ocorrência limitada à costa sudoeste de Portugal Continental. Presença restrita, em termos de regiões, ao Algarve e Baixo Alentejo.
Ecologia/habitat: Dunas consolidadas; arribas e rochedos litorais, em solos arenosos ou rochosos, preferentemente de origem calcária, a altitudes até 100m.
Floração: de Abril a Junho.
[Local e data: Carrapateira  - Costa Vicentina (Algarve); 22- Maio - 2015] 
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Limonium echioides





Limonium echioides (L.) Mill.
As plantas reproduzidas nas fotos supra fogem um tanto, pela forma, ao figurino habitual, mas, de facto, são plantas a que não falta nada: nem flores, ainda que minúsculas ( 1,5 a 3 mm) nem frutos, a seu tempo.
Planta glabra, anual, é mesmo a única do género Limonium existente na flora portuguesa, cujo ciclo biológico não vai além dum ano e é também, a meu ver, a mais facilmente identificável através da forma que revestem as folhas e do modo como se dispõem na roseta basal.
Note-se que a forma recurvada das plantas documentada nas fotos supra não é, ao que parece, a forma típica da espécie. É, no entanto, frequente em plantas encontradas em Portugal e nas Baleares.
Família: Plumbaginaceae
Distribuição: Região Mediterrânica. 
Em Portugal, ocorre apenas no território do Continente (Algarve e Baixo Alentejo e Estremadura)
Ecologia/habitat: pastagens anuais secas, arribas litorais, em substrato arenoso ou pedregoso preferentemente, calcário. Suporta algum grau de salinidade.
Floração: de Abril a Agosto.
Sinonímia: Statice echioides L. (Basónimo)
(Fontes consultadas; Flora.on; Flora Iberica)
[Local e data; Carrapateira - Costa Vicentina (Algarve); 22 - Maio - 2015]
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Coronilla juncea







Coronilla juncea L.
Arbusto com 40 a 200cm, (tipo biológico; fanerófito; caméfito) caducifólio, glabro, glauco,  com caules erectos, muito ramificados, semi-herbáceos, quando novos, junciformes; folhas com 2 a 3 pares de folíolos, as superiores frequentemente trilobadas; flores com corola amarela, agrupadas (5 a 11) em inflorescências pedunculadas.
Família: Fabaceae;
Distribuição: Região Mediterrânica Ocidental, encontrando-se na Europa, desde a Península Ibérica até à Croácia e no Norte de África, desde Marrocos até à Tunísia. 
Em Portugal está presente apenas no território do Continente, com ocorrência limitada ao Algarve, Alto e Baixo Alentejo.
Ecologia/habitat: matagais com boas clareiras, em terrenos preferentemente calcários, argilosos, xistosos e margosos, a altitudes até 1100m.
Floração: de Março a Julho.
[Local e data: Sobral da Adiça (Baixo Alentejo); 13 - Abril - 2015]
(Fontes consultadas; Flora.on ; Flora Iberica)

domingo, 20 de setembro de 2015

Mesembryanthemum nodiflorum

(1)

(2)

 (3)

(4)

 (5)

(6)

(7)

(8)
Mesembryanthemum nodiflorum L.
Erva anual (terófito) verde ou avermelhada, com caules (até 30 cm), suculentos, prostrados ou ascendentes: folhas tão grossas quanto largas, todas sésseis; flores solitárias.
Família: Aizoaceae;
Distribuição: Região Mediterrânica,  parte da Ásia (Arábia e Pérsia, designadamente) e Macaronésia.
Em Portugal ocorre, quer nos Arquipélagos dos Açores e da Madeira, quer no território do Continente (Algarve, Baixo Alentejo, Estremadura e Beira Litoral) 
Ecologia/habitat: terrenos arenosos e pedregosos do litoral, mormente, em arribas, dunas e salinas.
Floração: de Fevereiro a Dezembro.
[Locais e datas: Carrapateira, na Costa Vicentina; 22 Maio - 2015 (fotos 1, 3 , 5 e 6); Sapal de Castro Marim; 25 - Maio- 2015 ( fotos 2, 4, 7 e 8)]
(Clicando nas imagens, amplia)

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Abutilon theophrasti

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)

(8)
Abutilon theophrasti Medik.
Erva anual (tipo biológico: terófito) com caules erectos, ramificados na parte superior, que podem atingir até cerca de 150cm. de altura; folhas mais ou menos cordadas; flores com pétalas amarelas, solitárias ou agrupadas em pequenas cimeiras, emergindo, num caso e noutro, a partir das axilas das folhas superiores. O fruto é um esquizocarpo com 10 a 20 mericarpos hirsutos que vão escurecendo ao longo da maturação.
Família:Malvaceae;
Distribuição: espécie originária do Sul da Ásia, introduzida e naturalizada nas regiões tropicais e subtropicais de todos os continentes, na Região Mediterrânica e no Sudeste da Europa, sendo frequentemente considerada como planta daninha. Em Portugal, onde surge como  subespontânea, a ocorrência desta espécie estará, por enquanto, limitada ao Ribatejo. 
Ecologia/habitat: campos cultivados e incultos; margens de cursos de água, a altitudes até 1000m.
Floração: de Agosto a Setembro.
(Fonte utilizada: Flora Iberica)
[Local e datas: Paul do Boquilobo; 21 - Agosto - 2015 (fotos 1, 4, 6 e 7); 10 -Setembro - 2015 (fotos 2, 3, 5 e 8)]

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Alteia (Althaea officinalis)

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)

(8)
Alteia * (Althaea officinalis L.)
Erva perene com caules erectos, simples, ou escassamente ramificados, que podem atingir até 150cm. 
Família: Malvaceae;
Distribuição: presente em grande parte da Europa. Em Portugal tem distribuição limitada ao território do Continente (Algarve,  Ribatejo, Beira Litoral, Estremadura e Douro Litoral)
Ecologia/habitat: lugares húmidos em geral, designadamente e sobretudo nas margens de cursos de água, a altitudes até 1200m.  
Floração: por regra, de Maio a Julho, podendo, eventualmente, ocorrer até Outubro. 
Fitoterapia: Planta com largo campo de aplicações em fitoterapia. Principais indicações: tosse; bronquite; inflamações orofaríngeas e gastrites.
* Outros nomes comuns: Malvaísco;  Malva-brancaMalva-do-pântano
[Locais e datas: Reserva do Paul do Boquilobo; 21 - Agosto - 2015 (fotos 3, 7 e 8); 10 - Setembro - 2015 (fotos 5 e 6); Quinta do Alviela - São Vicente do Paul; 10 - Setembro - 2015 (fotos 1, 2 e 4)]