terça-feira, 18 de março de 2014

Salva-do-sul (Salvia sclareoides)

(1)

(2)

(3)

 (4)

(5)

(6)

(7)
Salva-do-sul *(Salvia sclareoides Brot.)
Erva vivaz (tipo biológico: proto-hemicriptófito) viloso-glandulosa, de caules (15 a 50 cm) erectos, simples ou escassamente ramificados; folhas basilares ovado-oblongas, com margens crenadas ou serradas, com superfície rugosa, com "bolhas"; as caulinares, pouco numerosas, mais pequenas, sésseis; flores com corola tubular, bilabiada, de cor púrpura ou violácea, raramente branca, dispostas (3 a 6) em número variável de verticilastros em inflorescência racemosa.
Distribuição:  É um endemismo ibérico que ocorre apenas no Sudoeste da Península, com presença limitada ao Algarve, Estremadura e Beira Litoral, do lado de cá da fronteira.
Ecologia/habitat: terrenos relvados, ou incultos, frequentemente pedregosos, sobre solos calcários, margosos ou argilosos.
Floração: de Março a Julho.
*Outros nomes comuns: Esclareia-bastarda; Salva-viscosa-dos-montes.
[Local e datas: serra da Arrábida; 30 - Abril - 2012 (foto 7) 26 - Janeiro - 2012 (foto 4); 8 - Março - 2014 (fotos restantes)]

2 comentários:

Majo disse...

~
~ Conheço-a da minha herdade.
~ É inesquecível pelo lindíssimo tom azul das suas flores, que alegram os campos transbordantes de vitalidade, durante a Primavera. ~

~ A planta é benéfica no tratamento da doença de Alzheimer, mesmo em infusão.
~ Os estudos estão a ser desenvolvidos por um grupo da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. ~

Francisco Clamote disse...

Sorte a sua, Majo, que a pode observar com maior frequência do que eu.
Bem haja, entretanto e uma vez mais, pelo complemento de informação.