quinta-feira, 29 de março de 2012

Celidónia-menor (Ranunculus ficaria)


Celidónia-menor (Ranunculus ficaria L.)
Celidónia-menor (também designada vulgarmente por FicáriaErva-das-hemorróidas e Erva-hemorroidal) é uma erva vivaz, rizomatosa, da família Ranunculaceae. Distribui-se por toda a Região Mediterrânica,  surgindo nas margens de cursos de água e em terrenos relvados húmidos e sombrios. 
Em Portugal ocorre por quase todo o país.
São-lhe atribuídas propriedades medicinais, sendo considerada como anti-escorbútica e anti-hemorroidal.
Floresce de Fevereiro a Maio.
(Local e data: Serra da Arrábida; 27 -março - 2012)
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 28 de março de 2012

Erva-borboleta (Orchis papilionacea)




Erva-borboleta (Orchis papilionacea L.)
Erva vivaz, tuberosa, da família Orchidaceae. Apresenta caule erecto com 20 a 40 cm  de altura; folhas linear-lanceoladas a lanceoladas com cerca de metade da altura da haste floral; inflorescência frouxa com 4 a 10 flores relativamente grandes, purpúreas.
Distribui-se por toda a Região Mediterrânica, surgindo espontânea em terrenos relvados e em clareiras de matos, geralmente sobre solos calcários.
Floração: de março/abril a maio.
(Local e data: Serra da Arrábida; 27 - março - 2012)

segunda-feira, 26 de março de 2012

Pampilho-de-micão (Coleostephus myconis)


Pampilho-de-micão * (Coleostephus myconis (L.) Rchb.f.
Planta herbácea, anual, da família Asteraceae, cujo caule, suberecto a erecto e ramificado pode atingir até 50cm de altura Apresenta folhas inferiores pecioladas e superiores auriculadas, umas e outras serradas e capítulos florais, com 2,5 a 4,5 cm de diâmetro, com flores exteriores liguladas e  interiores tubuloso-campanuladas, umas e outras geralmente de cor amarela.
Nativa da Região Mediterrânica e do sul da Europa, foi introduzida no Uruguai, norte da Argentina e sul do Brasil, onde se encontra naturalizada.
É pouco exigente quanto à composição do solo, ocorrendo com maior frequência em relvados e pastagens, mas também pode encontrar-se em baldios, em campos cultivados ou incultos e à beira de caminhos. 
Em Portugal é vulgar em todo o território do Continente.
Floração: de fevereiro a agosto.
*Também designada por Olhos-de-boi e Pampilho.
(Local e data: parque da paz - Almada; 26 - março - 2012)
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 25 de março de 2012

Pervinca (Vinca difformis)


Pervinca *(Vinca difformis Pourr.)
Planta perene, da família Apocynaceae, de caules até 2 m, de prostrados a ascendentes; folhas opostas, ovado-lanceoladas, persitentes, brilhantes; e flores com 4-5 cm de diâmetro, de corola tubular e pétalas azul-lilás. 
Originária da Região Mediterrânica Ocidental e dos Açores é subespontânea em várias outras regiões, onde foi introduzida como planta ornamental. Ocorre em sebes, margens de cursos de água e, em geral, em lugares frescos e sombrios.
Floração: de dezembro a junho.
*Outras designações comuns: Vinca; Congossa;  Erva-da-inveja.
(Local e data: Serra da Arrábida; 29 - fevereiro - 2012)
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 23 de março de 2012

Leituga-de-burro (Urospermum picroides)


Leituga-de-burro * [Urospermum picroides (L.) Scop. ex F. W. Schmidt **]
Planta herbácea, anual, da família Asteraceae. Pode atingir entre 40 a 60cm de altura, e é, em geral, revestida de numerosos pêlos que, no invólucro capitular, são particularmente fortes e eriçados
É nativa da Região Mediterrânica e Macaronésia (Canárias e Madeira), mas encontra-se naturalizada em muitas outras regiões, desde os Açores até à América do Norte (Califórnia), América do Sul, sul de África e Austrália. Em Portugal encontra-se em quase todo o território do Continente, para além dos Açores e Madeira.
Surge espontânea em baldios, mesmo urbanos, em terrenos cultivados e incultos, em terrenos perturbados e à beira de caminhos. 
Floração: de março/abril a julho 
* Também designada por Leituga-amarga
**Sinonímia: Tragopogon picroides L. (basónimo);Tragopogon asper L.; Urospermum asperum (L.) DC.;Urospermum picroides Desf.; Urospermum picroides F. W. Schmidt var. asperum (L.) Duby.
(Local e data: Serra da Arrábida: 18 março - 2012)

quarta-feira, 21 de março de 2012

Chaenorhinum origanifolium


Chaenorhinum origanifolium (L.) Kostel.
Planta herbácea, perene, da família Plantaginaceae, muito ramificada, apresenta caules de prostrados a ascendentes e, eventualmente, erectos; folhas algo suculentas e flores dispostas em cachos pouco densos. Surge espontânea em cavidades e  fissuras de rochas e muros e em terrenos pedregosos, frequentemente calcários, em locais com boa exposição solar.
(Local e data: Serra da Arrábida; 18 - março - 2012) 
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 20 de março de 2012

Cephalanthera longifolia



Cephalanthera longifolia (L.) Fritsch 
Erva vivaz, da família Orchidaceae, não ultrapassa, geralmente, 30 cm de altura. Apresenta folhas estreitas e compridas e inflorescência frouxa, com 8 a 20 flores brancas, com o labelo manchado de amarelo.
Orquídea de hábito terrestre, distribui-se por boa parte da Europa, pelo ocidente e sudeste da Ásia e peo norte de África, ocorrendo na orla de matos e de florestas e, frequentemente, sobre solos calcários.
Em Portugal distribui-se de forma descontínua, encontrando-se sobretudo a norte do Tejo e, ao que parece, a Serra da Arrábida é o limite sul da sua área de distribuição.
Floração: entre março e julho
SinonímiaCephalanthera ensifolia (L.) Rich.; Cephalanthera ensifolia (Murray) Rich.; Cephalanthera ensifolia Rich.; Cephalanthera longifolia (Huds.) Fritsch; Serapias ensifolia All.; Serapias grandiflora L.;Serapias longifolia Huds.
(Local e data: Serra da Arrábida; 18 - março - 2012)
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 19 de março de 2012

Marioila (Phlomis purpurea)



Marioila, ou Candeeiros  (Phlomis purpurea L.)
Pequeno arbusto, da família Lamiaceae, que, em regra, não ultrapassa 1 m de altura. Apresenta caule branco-tomentoso, mais ou menos ramificado, erecto; folhas aveludadas; e flores com corola purpúrea ou rosada, (raramente branca) dispostas em forma de coroa formada na axila das folhas superiores.
Distribui-se pela Península Ibérica e norte de Marrocos, ocorrendo, sobretudo, na orla de matagais, em locais secos, pedregosos, geralmente sobre solos calcários. Em Portugal ocorre apenas no centro e sul do território do continente, sendo particularmente abundante na Serra da Arrábida e no Barrocal algarvio. 
A floração decorre de março a julho.
(Local e data: Serra da Arrábida; 18 - março- 2012)
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 18 de março de 2012

Ophrys sphegodes


Ophrys incubacea Bianca Ophrys sphegodes Mill.
Erva vivaz, da família Orchidaceae apresenta duas raízes tuberosas, caule erecto (que raramente ultrapassa os 30 cm); folhas basais, ovado-lanceoladas; e  3 a 8 flores dispostas em espiga.
Orquídea terrestre, distribui-se pelo países do sul da Europa, desde Portugal até à Albânia, ocorrendo geralmente em sítios com boa exposição solar, em pastagens, matos pouco densos e  florestas com boas clareiras, sobre solos básicos, secos a frescos.
Em Portugal ocorre no centro e sul do território do Continente. É considerada uma espécie rara. 
Floração: de março a abril.

(Local e data: Serra da Arrábida; 18 março - 2012)
(Clicando nas imagens, amplia)

Rectificação:
Esta espécie foi aqui inicialmente identificada sob a designação de Ophrys incubacea. Esta é, com efeito, a   designação adoptada no "Flores da Arrábida - guia de Campo" de José Gomes Pedro e Isabel Silva Santos, designação que, no entanto, verifico agora, não é a seguida pelo portal da SPBotânica (Flora.On), nem pela Flora Ibérica, que optam pela designação de Ophrys sphegodes, notando a Flora Iberica, em observações à descrição desta espécie que a O. incubacea, descrita como espécie da Sicília com  extensões pelo centro e oeste do Mediterrâneo não apresenta caracteres que justifiquem a sua autonomização como espécie distinta da O. sphegodes, planta que apresenta variabilidade morfológica mesmo entre entre exemplares da mesma população. Fica a explicação.

terça-feira, 6 de março de 2012

Malva-de-três-meses (Lavatera trimestris)




Malva-de-três-meses *(Lavatera trimestris L.)
Erva anual, da família Malvaceae, ramificada, com ramos erectos ou ascendentes que pode atingir até 80 cm de altura, apresentando folhas superiores trilobadas e dentadas e inferiores mais arredondadas; flores, em geral, solitárias, com pétalas, em regra, rosadas. 
É nativa da Região Mediterrânica, mas encontra-se naturalizada noutras paragens, pois é cultivada como planta ornamental.
Em Portugal ocorre espontaneamente sobretudo no centro oeste, no centro sul e no sudoeste e sudeste do território do Continente, geralmente, em campos incultos, ou cultivados em pousio, em terrenos arenosos, argilosos e calcários.
Floração: durante a primavera e o verão.
*Também conhecida pelas designações comuns de Lavatera-de-três-meses; Malva-rosa e Malva-real
(Local e data: Serra da Arrábida; 10 - maio - 2011)(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 5 de março de 2012

Malva-de-Espanha (Malva hispanica)



Malva-de-Espanha (Malva hispanica L.)
Herbácea anual da família Malvaceae, geralmente, com porte erecto, mas, por vezes, prostrada, ramificada a partir da base, pode atingir cerca de 70 cm de altura. Distribui-se pela Península Ibérica (rareando, no entanto, no norte peninsular) e pelo noroeste de África ( Marrocos e Argélia). Na Serra da Arrábida, onde a fotografei, encontrei-a, quer em encostas, em terrenos calcários, secos e pedregosos, quer nos vales, em terrenos de cultivo em pousio e com alguma humidade. Pelas consultas que fiz, concluo, porém, que a espécie tem preferência por solos arenosos e é mais frequente em charnecas e outeiros.
Floração: de abril a agosto.
(Local e data: Serra da Arrábida; 10 - maio - 2011)
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 3 de março de 2012

Carduus carpetanus







Carduus carpetanus Boiss. & Reut.*
Como estamos, aqui no blogue,  em maré de "cardos", embora a maioria das espécies como tal designadas vulgarmente não pertençam ao género Carduus, aqui vem mais um, o Cardus carpetanus que pertence, este sim, ao referido género. Espécie da família Asteraceae, é um endemismo ibérico, designado em Espanha por "Cardo seco", sem designação vulgar em português. Eu, pelo menos não a encontrei. 
Atinge entre 50 a 80 cm de altura e  ocorre em terrenos baldios, ou incultos e em pastagens de montanha, em qualquer caso,  acima dos 700 m.  de altitude. As fotografias supra foram obtidas na Serra da Estrela a altitude superior aos 1000 m. em 17 de junho de 2011, altura em que a floração ia já adiantada, existindo plantas que já tinham iniciado a fase da frutificação.
*Sinonímia: Carduus gayanus DC.; Carduus zapateri E. Rev. & Debeaux.
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 2 de março de 2012

Falso-acanto (Onopordum acanthium)




Falso-acanto (Onopordum acanthium L.)
Planta herbácea, bienal, da família Asteraceae (subfamília: Carduoideae) apresenta caule erecto, ramificado na parte superior. Nativa da Europa e do oeste da Ásia, surge espontânea em terrenos incultos, baldios, pastagens e à beira de caminhos, geralmente em locais secos, por vezes, pedregosos. É considerada como erva daninha em várias outras regiões onde foi introduzida. Em Portugal ocorre, sobretudo, no nordeste beirão e transmontano. 
Floração: de  junho a setembro
Nota: A planta reproduzida nas fotografias supra foi aqui identificada, inicialmente, como sendo o Cardo-roxo (Cirsium vulgare). Apercebi-me do erro ao consultar a Flora-On. Errar nunca é agradável, como é óbvio. Permanecer no erro e não o corrigir seria (é), no entanto, pior. Se levei alguém ao engano, as minhas desculpas.
(Local e data: Sabugal; 22 - junho - 2011)
(Clicando nas imagens, amplia)