quarta-feira, 30 de junho de 2010

Selo-de-salomão (Polygonatum odoratum)


Selo-de-salomão [Polygonatum odoratum (Mill.) Druce]
Planta da família Ruscaceae é considerada originária da Europa e da Ásia. Segundo os sítios consultados, o Selo-de-salomão dá-se bem em terrenos húmidos e sombrios, o que é confirmado pelo local (Mata da Margaraça - Serra do Açor) onde a fotografei. Pelo que vejo, é uma planta tóxica.
(Sinónimos: Convallaria polygonatum sensu Brot.; Polygonatum ambigum Link; Polygonatum odoratum (Mill.) Druce var. ambiguum (Link) Rothm. et P. Silva; Polygonatum officinale All.; Polygonatum officinale All. var. ambigum (Link) Henriq.; Polygonatum vulgare Desf.)
(Local e data: Mata da Margaraça; 11-Junho-2010)
(Clicando nas imagens, amplia)

4 comentários:

Anabela disse...

Achei interessante este bocado de texto que transcrevo. Pode ler-se o artigo aqui

"A origem do nome selo-de-salomão dever-se-à à forma de carimbo arredondado com umas estruturas finas que fazem lembrar caracteres hebraicos, as quais podem ser observadas no Outono – altura em que a parte aérea da planta seca – quando se puxam as hastes na zona em que estas se ligam ao rizoma. Por sua vez, a sabedoria popular diz que o Rei Salomão colocou o seu selo nesta planta quando reconheceu o seu grande valor medicinal e protector. Muitas culturas atribuem características quase mágicas a esta planta. Efectivamente, o selo-de-salomão foi utilizado durante centenas de anos como planta medicinal com uma grande diversidade de aplicações, tais como contusões, diabetes, ferimentos, hemorróidas, inflamações, nevralgia, cardiotónico, diurético ou sedativo."

Francisco Clamote disse...

Obrigado, Anabela, pela contribuição.

João Bosco Brito do Nascimento disse...

Gostaria muito de te-la. É fácil de encontrar?

Francisco Clamote disse...

Na Serra de Montejunto é fácil encontrá-lo, designadamente à volta do parque de campismo e da "Fábrica do Gelo".