sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Plantas ornamentais: Folhado (Viburnum tinus)

(As flores em cimeira)

(Os frutos)

(A folhagem)

Viburnum tinus L. é o nome científico desta planta (reproduzida nas imagens) designada vulgarmente pelos nomes de Folhado, Folhado-comum e Milfolhado. Planta originária da zona mediterrânica, é utilizada em Portugal, frequentemente, como planta ornamental, em parques e jardins.
Classificação: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Dipsacales; Família: Adoxaceae; Género: Viburnum; Espécie: Viburnum tinus.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Plantas ornamentais: Dipladénia

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Dipladénia é o nome comum atribuído, em Portugal, às espécies de plantas do género Mandevilla Lindl., como a que produz as flores na imagem. Este género de plantas é nativa da América Central e do Sul, plantas que são usadas em Portugal como plantas ornamentais. Este género de plantas é classificado como pertencendo à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Gentianales; Família: Apocynaceae; Género: Mandevilla.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Cipreste-comum (Cupressus sempervirens var. stricta)

(A árvore)

(Pormenor da ramagem e dos cones)

Cipreste-comum, Cipreste-italiano, Cipreste-mediterrânico, ou, simplesmente Cipreste são alguns dos nomes atribuídos, em português, à variedade stricta (nas imagens) do Cupressus sempervirens L. Embora a sua madeira (que é extremamente durável) seja aproveitada, esta árvore originária do Sul da Europa e do Sudoeste da Ásia é sobretudo utilizada como planta ornamental, podendo, em Portugal, ser vista com frequência em cemitérios e em parques e jardins públicos.
Classificação: Divisão: Pinophyta; Classe: Pinopsida; Ordem: Pinales; Família: Cupressaceae;
Género: Cupressus; Espécie: Cupressus sempervirens.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

Árvores de fruto: A Amendoeira (Prunus dulcis)

(Amendoeira)

(Amendoeira em flor)

(Ramo com flores)

(Pormenor da flor)

(Pormenor das folhas e do fruto)

A Amendoeira [Prunus dulcis (Mill.) D. A. Webb] é uma árvore de fruto (a amêndoa, que é consumida como fruto seco) cultivada em Portugal, particularmente no Algarve (onde, todavia, está em decréscimo, devido ao abandono dos campos) e no Alto Douro (região onde a sua floração, por esta altura do ano, proporciona um belíssimo espectáculo da natureza, sobretudo na zona de Barca de Alva, onde se avistam quilómetros de amendoeiras em flor dispersas pelas encostas do rio Douro.
Classificação: Pertence à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Rosales; Família: Rosaceae; Subfamília: Prunoideae; Género: Prunus; Espécie: Prunus dulcis.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Aloe ciliaris (As flores)

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Sobre o Aloe ciliaris já se escreveu aqui uma breve nota. A sua floração nesta época do ano propicia a oportunidade da publicação de uma imagem das suas flores.

domingo, 25 de janeiro de 2009

Murta (Myrtus communis)

(As flores)

(As folhas)

(Os frutos)

A Murta (Myrtus communis L.), planta que também é designada pelos nomes vulgares de murta-comum, mirta, mirto, murteira e murtinheira, entre outros, é uma planta arbustiva que se encontra frequentemente em Portugal, como em toda a zona mediterrânica, e que, tendo embora diversas utilidades, é actualmente usada, pelo menos em Portugal, apenas como planta ornamental.
Classificação: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Myrtales; Família: Myrtaceae; Género: Myrtus; Espécie: Myrtus communis.
(Informação mais desenvolvida: aqui)
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

Euphorbia tetragona

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)
Com o nome científico de Euphorbia tetragona Haw., esta planta é originária da província do Cabo, África do Sul. Está classificada como pertencente à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Malpighiales; Família: Euphorbiaceae; Género: Euphorbia; Espécie: Euphorbia tetragona.
O exemplar fotografado encontra-se no Jardim Botânico de Lisboa.

sábado, 24 de janeiro de 2009

Aloe striatula

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Originário da África do Sul, o Aloe striatula Haw. pertence à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Liliopsida; Ordem: Asparagales; Família: Asphodelaceae; Género: Aloe; Espécie: Aloe striatula
Origem da imagem: Jardim Botânico de Lisboa.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Plantas suculentas: Dedinhos-de-moça (Sedum rubrotinctum)

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

A planta, com o nome científico Sedum rubrotinctum R.T.Clausen, é uma das centenas de espécies de plantas suculentas pertencentes ao género Sedum L. e que já vi em tempos designada por Dedinhos-de-moça (nome que adopto). Como as demais plantas deste género pertence à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Saxifragales; Família: Crassulaceae; Subfamília: Sedoideae. É usada como planta ornamental, sobretudo em terraços e varandas particulares.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Pinheiro-bravo (Pinus pinaster)

(Pinheiro-bravo ainda jovem)

(Pinha)

O Pinheiro-bravo (Pinus pinaster Aiton) é seguramente a espécie que ocupa a maior área de floresta em Portugal, principalmente no litoral atlântico e no norte e centro do país e é também a planta com maior importância económica não só pela madeira (com utilizações tão diversas como a indústria de celulose, o fabrico de mobiliário, indústria de aglomerados e construção civil, entre outros) mas também pela resina que dela se extrai (embora esta actividade esteja em regressão) resina que é utilizada no fabrico de tintas, vernizes e aguarrás.
O pinheiro-bravo distingue-se facilmente do pinheiro-manso, pelo formato da copa (não é arredondada) e também pela forma das suas pinhas (que são mais alongadas). O pinhão do pinheiro-bravo, embora comestível e saboroso, não é aproveitado economicamente, ao contrário do que sucede com o pinhão do pinheiro-manso, dadas as suas reduzidas dimensões.
Classificação: O pinheiro-bravo pertence à Divisão: Pinophyta; Classe: Pinopsida; Ordem: Pinales; Família: Pinaceae; Género: Pinus; Espécie: Pinus pinaster.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Aloé-do-natal (Aloe arborescens)

(A planta)

(Pormenor da inflorescência)

Esta planta, com o nome científico de Aloe arborescens Miller, é vulgarmente designada por Aloé-do-natal (suponho que por florir na época de inverno) Aloé-arborescente (tradução do nome científico em latim), Aloé-candelabro e, no Brasil, também por Babosa. É originária da África meridional, mas encontra-se amplamente difundida, incluindo em Portugal onde é frequentemente encontrada em parques e jardins e mesmo servindo de sebe viva. Pertence à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Liliopsida; Ordem: Asparagales; Família: Asphodelaceae; Género: Aloe; Espécie: Aloe arborescens.
Local e data da captação das imagens: Costa da Caparica; 17-01-2009.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Pinheiro-manso (Pinus pinea)

(A árvore)



(As pinhas)
O Pinheiro-manso (Pinus pinea L.) é uma árvore originária da Europa e da zona mediterrânica, muito comum em Portugal, sobretudo no litoral e na zona sul do território. Além da madeira aproveita-se também do pinheiro-manso o pinhão que, depois de descascado, é usado na alimentação humana como fruto seco e que é, aliás, extremamente saboroso. O pinheiro-manso distingue-se de outras espécies de pinheiro pela forma arredondada da sua copa. A pinha é também mais arredondada do que as produzidas por outras árvores do mesmo género. Está classificada esta planta como pertencendo à Divisão: Pinophyta; Classe: Pinopsida; Ordem: Pinales; Família: Pinaceae; Género: Pinus; Espécie: Pinus pinea.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

domingo, 18 de janeiro de 2009

Plantas suculentas: Planta-jade

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)


Planta-jade (em inglês Jade Plant) é o nome vulgar por que é conhecida esta planta suculenta com o nome científico de Crassula ovata (Miller) Druce, originária da África do Sul e que é usada como planta ornamental em Portugal, em jardins públicos e ainda mais frequentemente em jardins particulares, devido sobretudo à beleza das suas folhas (brilhantes) e à facilidade da sua manutenção (como planta suculenta não precisa de grandes cuidados em matéria de rega). Pertence à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Saxifragales; Família: Crassulaceae; Género: Crassula; Espécie: Crassula ovata.

sábado, 17 de janeiro de 2009

Flor do Nabo (Brassica rapa)

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

O Nabo (Brassica rapa L.) já foi objecto de uma mensagem aqui publicada. Faltou incluir, na altura, uma imagem da flor, falha que se remedeia agora com a publicação da imagem supra.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Plantas ornamentais: Árvore-da-borracha (Ficus elastica)


A Árvore-da-borracha (Ficus elastica Roxb.) é uma planta tropical originária da Ásia que se tem adaptado bem em Portugal, onde é utilizada como planta ornamental, quer em locais públicos, quer em jardins particulares, sendo mesmo usada como planta de interiores. Esta planta, que no Brasil é designada por falsa-seringueira ou figueira-branca encontra-se classificada como pertencente à: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Rosales; Família: Moraceae; Género: Ficus; Subgénero: Urostigma; Espécie: Ficus elastica.
O exemplar fotografado encontra-se no jardim do Castelo de Tavira.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Dragoeiro (Dracaena draco)

(Inflorescência de dragoeiro - vista parcial)

(Pormenor da inflorescência)
O Dragoeiro [Dracaena draco (L.) L.] já foi objecto de uma mensagem aqui publicada. Faltava, no entanto, uma imagem da sua inflorescência, falha que é remediada com a publicação das imagens supra. Esta planta integra-se na Divisão: Magnoliophyta; Classe: Liliopsida; Ordem: Asparagales; Família: Ruscaceae (Dracaenaceae); Género: Dracaena; Espécie: Dracaena draco.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Euphorbia resinifera

(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

A planta com o nome científico de Euphorbia resinifera Berg é endémica de Marrocos, sendo classificada como pertencendo à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Malpighiales; Família: Euphorbiaceae; Género: Euphorbia; Espécie: Euphorbia resinifera.
Proveniência da imagem: Jardim Botânico de Lisboa.

sábado, 10 de janeiro de 2009

Laranjeira-trifoliada (?) (Poncirus trifoliata)

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)


A planta a que se refere a imagem tem o nome científico de Poncirus trifoliata(L.) Raf. e é designada, em inglês, por Trifoliate Orange, nome que, em português, significa Laranjeira-trifoliada. É nativa da China e Himalaias. Os frutos são muito amargos e, por esse motivo, não são comestíveis em fresco, podendo, no entanto, a sua polpa ser utilizada no fabrico de compotas.
A planta está classificada como pertencendo à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Sapindales; Família: Rutaceae; Género: Poncirus.
É uma planta pouco vulgar em Portugal e, pessoalmente, não conheço outro exemplar além do fotografado no Jardim Botânico de Lisboa.

Plantas ornamentais: Hebe imperialis

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)
Com o nome científico de Hebe imperialis (Bouch.) Cockayne, esta planta pertence à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Lamiales; Família: Plantaginaceae; Género: Hebe. Há autores que a consideram como uma variedade da Hebe speciosa (A.Cunn) J. C. Andersen . Originária da Nova Zelândia, esta planta é bastante cultivada em Portugal como planta ornamental.
Proveniência da imagem: Jardim Botânico de Lisboa.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Plantas suculentas: Aloe ciliaris

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)
Planta suculenta do género aloé, com o nome científico de Aloe ciliaris Haw. É originária da África do Sul, sendo utilizada em Portugal como planta ornamental. Diferencia-se dos restantes aloés, pelo facto de as suas folhas não possuírem espinhos duros mas uma espécie de cílios e de possuir um caule oco. Pertence à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Liliopsida; Ordem: Asparagales; Família: Asphodelaceae; Género: Aloe.
Proveniência da imagem: Jardim Botânico de Lisboa.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Plantas ornamentais: Bergenia crassifolia

(Para ampliar, clicar sobre a imagem)

Com o nome científico de Bergenia crassifolia (L.) Fritsch, esta planta, originária da Ásia setentrional e central, é usada em Portugal, como planta ornamental em jardins públicos e particulares. Pertence à Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Saxifragales; Família: Saxifragaceae; Género: Bergenia.
(Imagem colhida no Jardim Botânico de Lisboa)

domingo, 4 de janeiro de 2009

Abeto-prateado (Abies alba)

(Abeto-prateado)

(Pormenor de um ramo)
O Abeto-prateado, também designado por Abeto-branco (nome científico: Abies alba Miller) é uma árvore originária das montanhas europeias, cientificamente classificado como pertencendo à Divisão: Pinophyta; Classe: Pinopsida; Ordem: Pinales; Família: Pinaceae; Género: Abies; Espécie: Abies alba.
Tem utilização e propriedades semelhantes às dos pinheiros. Em Portugal, onde é pouco vulgar, é, no entanto, mais utilizado como planta ornamental.
Proveniência das imagens: Jardim da Casa da Cerca, Almada.
(Para ampliar, clicar sobre as imagens)

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Papiro (Cyperus papyrus)

(1)

(2)

O Papiro (Cyperus papyrus L.) é uma planta aquática utilizada no antigo Egipto no fabrico de um suporte de escrita que é justamente designado por "papiro".
A planta pertence à: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Liliopsida; Ordem: Poales; Família: Cyperaceae; Género: Cyperus; Espécie: Cyperus papyrus.
Legenda das imagens:
Foto 1: Tanque com papiros;
Foto 2: Pormenor da parte superior da planta em forma de umbela.
Local: Jardim da Casa da Cerca, Almada