sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Bocas-de lobo (Antirrhinum linkianum)

(1)

 (2)

(3)

 (4)

(5)

(6)
Bocas-de lobo (Antirrhinum linkianum Boiss. & Reut.)
Planta herbácea, vivaz (tipo fisionómico: caméfito) da família Plantaginaceae (ex Scrophulariaceae) com caules simples ou ramificados, algo lenhosos, ascendentes ou erectos, pubescente-glandulosos, pelo menos durante a floração, que podem atingir entre 30 a 60 cm.
É um endemismo ibérico que ocorre sobretudo em território português (Baixo Alentejo, Beira Baixa, Beira Litoral, Estremadura e Ribatejo) estando a sua presença em território espanhol limitada ao litoral ocidental da Corunha.
Habitat: locais rochosos, ou pedregosos, terrenos revolvidos, fissuras de paredes e de muros degradados, ao longo de caminhos. É frequente nas escarpas da margem sul do estuário do Tejo.
O A. linkianum é não só muito semelhante ao cultivado Antirrhinum majus, como já foi considerado como uma subespécie deste (v. sinonímia infra). Distingue-se dele pelo facto de ter "os pedicelos mais compridos do que as sépalas" (in Flora.On). Tem também grandes semelhanças com o Antirrhinum cirrhigerum. Este tem, no entanto, "caules laterais curtos e gavinhosos" (loc. cit), característica que o distingue do A. linkianum .
A floração, segundo as fontes consultadas, ocorre de Abril a Julho. Parece-me, no entanto, que ela decorre durante um período bem mais alargado. Basta dizer que as duas primeiras fotos mostram dois exemplares ainda em floração no mês de Dezembro.
Sinonímia: - Antirrhinum majus subsp. linkianum (Boiss. & Reut.) Rothm.
[Local e data: Estuário do Tejo - Cova da Piedade - Cacilhas - Almada; 12- Dezembro -2012 (fotos 1 a 4); 04 - Junho - 2012 (fotos 5 e 6)]
(Clicando nas imagens, amplia)

1 comentário:

Gina disse...

São muito comuns no Brasil. Aqui chamamos de boca-de-leão.
Um abraço.