segunda-feira, 16 de julho de 2018

Sapinho-das-praias (Honckenya peploides)







Sapinho-das-praias [Honckenya peploides (L.) Ehrh.*]
Planta herbácea, vivaz, glabra, suculenta, com 10 a 25 cm, com caules prostrados radicantes.
Tipo biológico:hemicriptófito 
Família:Caryophyllaceae
Distribuição: planta subcosmopolita, presente em grande parte das costas marítimas do hemisfério norte.
Em Portugal ocorre apenas no território do Continente, ao longo do litoral, desde o Minho (onde é mais frequente) até à  Estremadura (onde raramente aparece).
Ecologia/habitat: terrenos arenosos e pedregosos no litoral.
Floração: em Portugal ocorre de Abril a Junho. Noutras latitudes mais a Norte a floração pode prolongar-se até Agosto. 
* Sinonímia: Arenaria peploides L.(basónimo)
[Local e data: litoral de Vila Praia de Âncora (Minho); 22 - Junho 2018]
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 15 de julho de 2018

Urze-irlandesa (Daboecia cantabrica)







Urze-irlandesa [Daboecia cantabrica (Huds.) K.Koch]
Pequeno arbusto (20 a 70 cm) muito ramificado, com caules débeis e ramos decumbentes ou ascendentes; folhas ovado-lanceoladas, coriáceas, persistentes, com margens inteiras e revolutas;  flores pendentes, com corola urceolada, de cor púrpura, agrupadas (6 a 15) em inflorescências terminais em cacho, pouco densas; frutos (cápsulas) com 4 valvas.
Tipo biológico: caméfito;
Família: Ericaceae;
Distribuição: Oeste da Irlanda e da França; Península Ibérica. Introduzida e naturalizada na Inglaterra.
Em Portugal ocorre apenas no território do Continente, confinada ao Minho, Trás-os-Montes, Douro Litoral e Beira Litoral.
Ecologia/habitat: urzais e outros matagais, clareiras de bosques, com frequência em terrenos rochosos e pedregosos, a altitudes até 1500m.
Floração: durante quase todo o ano, mas com maior intensidade de Abril a Novembro.
[Local e datas: Vila Nova de Cerveira (Minho); 22/26 - Junho - 2018]
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Tanchagem-menor (Plantago lanceolata)




Tanchagem-menor * (Plantago lanceolata L.)
Erva vivaz, rizomatosa, por via de regra, acaule, com folhas lanceoladas, com margens inteiras ou denticuladas e limbo com 3 a 7 nervuras,  de glabrescentes a pubescentes,  por vezes densamente lanuginosas; flores diminutas agrupadas em inflorescências em espiga, densas.

Tipo biológico: hemicriptófito;
Família:Plantaginaceae;
Distribuição; originária da Europa, Ásia e Norte de África é  actualmente considerada cosmopolita, encontrando-se naturalizada em quase todo o globo. 

Em Portugal ocorre, como espécie autóctone em todo o território do Continente e também no arquipélago da Madeira e como planta introduzida, no arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat: prados, pastagens e outros relvados, mas também em jardins, bermas de estradas e caminhos e mesmo noutros ambientes ruderais, em locais com alguma humidade, a altitudes até 2300m.

Floração: ao longo de uma boa parte do ano, mas com maior intensidade, de Abril a Julho.
*Outros nomes comuns: Corrijó; Língua-de-ovelha; Orelha-de-cabra; Tanchagem; Tanchagem-das-boticas; Tanchagem-ordinária.

(Local e data: Parque da Paz - Almada; 16 - Abril - 2018)

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Agrião-dos-prados (Cardamine pratensis subsp. pratensis)










Agrião-dos-prados *(Cardamine pratensis subsp. pratensis)
Erva vivaz, rizomatosa, com caule erecto, com 20 a 60 cm, simples ou ramificado na parte superior; folhas basais, em geral, penatissectas (com 7 a 11 segmentos) dispostas em roseta; as caulinares pouco densas e igualmente penatissectas (com 7 a 15 segmentos); flores com pétalas de cor lilás, eventualmente branca, agrupadas em inflorescências em cacho
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Brassicaceae (Cruciferae);
Distribuição: planta subcosmoplita, com ocorrência em toda a Região Circumboreal.
Em Portugal, enquanto espécie autóctone, ocorre apenas no território do Continente e tão só em algumas regiões a norte do Tejo (Estremadura; Beira Litoral; Douro Litoral; Minho e Trás-os-Montes). Como espécie introduzida, encontra-se também no arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat:  margens de cursos de água, pastagens húmidas, bosques sombrios e, por vezes, em marismas e turfeiras, a altitudes até 2200m.
Floração: de Março a Julho.
*Outros nomes comuns:Cardamina; Cardamina-dos-prados; Enxadreia;
(Local e data: margem do Rio Minho, em Vila Nova de Cerveira; 22/26 - Junho - 2018)

terça-feira, 10 de julho de 2018

Tasneira-de-água (Senecio aquaticus)













Tasneira-de-água ou Tasneirinha *(Senecio aquaticus Hill **)
Erva bienal ou vivaz (tipo biológico: hemicriptófito) da família Asteraceae (Compositae).
Distribuição: Centro, Sul e Oeste da Europa; Noroeste de África; e Turquia.
Em Portugal ocorre como espécie autóctone no território do Continente (Beira Litoral, Douro Litoral e Minho) e como espécie introduzida no arquipélago dos Açores.
Ecologia/habitat: sítios húmidos, tais como relvados á beira de lagos, lagoas e pântanos e nas margens de cursos de água, a altitudes até 2200m.
Floração: ao longo de boa parte do ano, mas com maior intensidade de Abril a Outubro.
* No Portugal Botânico de A a Z, aparece a designação de "Saca-fogo".
**Sinonímia: Jacobaea. aquatica G. Gaertn., B.Mey. & Scherb.

Datas e lugar onde:
(Rio Minho em Vila Nova de Cerveira; 21/22 - Junho - 2018)

domingo, 8 de julho de 2018

Erva-toira-das-areias (Orobanche arenaria)





Erva-toira-das-areias *(Orobanche arenaria Borkh.)
Planta perene que, desprovida de clorofila, tal como as suas congéneres, se desenvolve e subsiste parasitando outra espécie. No caso, a espécie que faz de hospedeira é Artemisia campestris, facto que as fotos supra documentam. 
Tipo biológico: Geófito;
FamíliaOrobanchaceae;
Distribuição: Oeste da Ásia; Rússia e Oeste da Europa.
Em Portugal ocorre apenas no território do Continente, confinada ao Minho e Douro Litoral.
Ecologia/habitat: dunas litorais e outros terrenos arenosos, secos, bem drenados, a altitudes até 1600m.
Floração: de Maio a Julho.
(Local e data: Foz do Neiva; 25 - Junho - 2018)

sábado, 7 de julho de 2018

Armeria pubigera









Armeria pubigera (Desf.) Boiss. *
Pequeno subarbusto em forma de almofada, muito ramificado, com folhas aproximadamente lineares, planas ou acanaladas com ápice arredondado ou obtuso; flores com corola branca ou cor de rosa claro agrupadas em glomérulos protegidos por invólucros dispostos no ápice dos escapos, invólucros que são formados por 8 a 13 brácteas imbricadas, em geral, pubescentes e por uma bainha (bainha involucral) que, no caso, apresenta a particularidade de ter comprimento inferior ao do diâmetro do invólucro.
Tipo biológico: caméfito;
FamíliaPlumbaginaceae;
Distribuição: Planta endémica  da Península Ibérica, com ocorrência em Portugal limitada ao Douro Litoral e Minho e em Espanha às províncias de Pontevedra e Corunha.
Ecologia/habitat: ocorre geralmente em rochedos graníticos litorais e uma ou outra vez em areais costeiros, a altitudes até 50m.
Floração: de Fevereiro a Julho.
* Sinónimo: Statice pubigera Desf. (basónimo)

Data e lugar onde:
Fortim do Cão (Vila Praia de Âncora); 25 - Junho - 2018