sábado, 20 de fevereiro de 2021

Myrrhoides nodosa




Myrrhoides nodosa (L.) Cannon *
Erva anual com 30 a 100 cm; caules pouco ramificados, mais ou menos densamente híspidos, engrossados nos nós; folhas basais não persistentes, de contorno aproximadamente triangular, bi ou tri-penatissectas; as caulinares semelhantes; flores com pétalas brancas de reduzida dimensão,  agrupadas em umbelas com 2 a 4 raios, compostas por umbélulas com 4 a 10 raios; frutos com denso revestimento de pêlos rígidos, tuberculados na base.
Tipo biológico: terófito;
Família: Apiaceae (Umbelliferae);
Distribuição: Centro e Oeste da Europa, Região Mediterrânica, Crimeia, Cáucaso e Oeste da Ásia.
Em Portugal ocorre apenas no território do Continente e circunscrita ao Alto Alentejo, Beira Alta e Trás-os-Montes.
Ecologia/habitat: locais húmidos e sombrios, na orla de bosques e nas margens de cursos de água, a altitudes desde 140 a 1700m.
Floração: de Março a Junho.
* SinonímiaScandix nodosa L. (basónimo)
[Local e data do avistamento: concelho de Vimioso (Trás-os-Montes); 1 - Junho - 2018]
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Pervinca-maior (Vinca major subsp. major)


A Pervinca-maior (Vinca major subsp. major) (também designada vulgarmente por Pervinca, Congossa e Congossa-maior) é uma planta perene, rizomatosa e estolonífera (tipo biológico: hemicriptófito) da família Apocynaceae.
É originária do Centro da Região Mediterrânica, mas encontra-se naturalizada noutras regiões.
Surge em Portugal como planta introduzida, onde é frequentemente cultivada e onde, entretanto, se naturalizou, surgindo como subespontânea em terrenos húmidos e sombrios, frequentemente na orla de bosques e margens de cursos de água. Cultivada para fins ornamentais é frequente em parques e jardins.
Floração: de Janeiro a Junho.
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Verbasco (Verbascum simplex)

(1)

(2)

(3)

(4)
Verbasco (Verbascum simplex) Hoffmanns. & Link
Erva bienal, pubescente-tomentosa com caules erectos, simples ou ramificados, podendo atingir até cerca de 150cm de altura; folhas alternas; as basais elípticas, crenadas; as caulinares nitidamente decurrentes; inflorescências espiciformes com flores de corola amarela, reunidas em fascículos dispostos pouco densamente ao longo do eixo da inflorescência; fruto (cápsula) globoso, pouco maior que o cálice.
Tipo biológico: hemicriptófito;
FamíliaScrophulariaceae;
Distribuição: Região Mediterrânica Ocidental incluindo a Península Ibérica, o Sudoeste de França e o Noroeste de África (Marrocos e Argélia).
Em Portugal, ainda que não seja muito comum, distribui-se de forma irregular e descontínua por quase todo o território do Continente.
Ecologia/habitat: taludes, baldios, terrenos cultivados, incultos ou em pousio, com frequência em solos arenosos, designadamente costeiros, a altitudes até 1300m. 
Floração: de Março a Agosto.
[Local e data do avistamento: Estuário do Sado (Setúbal) 20 - Abril - 2016 (fotos 1 a 3); S.Estêvão (Sabugal) 30 - Abril - 2015 (foto 4)]

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

Viúvas (Trachelium caeruleum)



Viúvas, ou Flor-de-viúvas (Trachelium caeruleum L.)

Planta herbácea, de base lenhosa, da família Campanulaceae, cujo caule raramente ultrapassa um metro de altura, dispondo-se as folhas (alternas, ovadas a ovada-lanceoladas e duplamente serradas) ao longo do caule. As flores, com forma tubular, pequenas e numerosas, de cor azul ou violeta-púrpura, ou, mais raramente, de cor branca, agrupam-se em inflorescências em corimbo, mais amplas quando terminais.
A espécie é originária da Região Mediterrânica Ocidental, mas é cultivada como planta de jardim em muitas outras regiões.
Aparentemente prefere encostas e taludes ou mesmo muros e paredes onde encontre algum suporte  para lançar as suas raízes,  em lugares húmidos e meio sombrios.
Em Portugal surge como espontânea,  de forma descontínua, desde o Minho até ao Algarve, segundo esta fonte. Não me parece, no entanto, que seja muito comum, dado que, pessoalmente, só me apercebi da sua existência no local onde obtive as  fotografias supra, embora nesse local fossem numerosos os exemplares encontrados. Contudo e curiosamente, esta outra fonte refere que a espécie pode ser encontrada em argamassas das muralhas do centro histórico de Braga.
A floração ocorre durante um largo período que vai, pelo menos, de Junho a Setembro.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

Phalacrocarpum hoffmannseggii



Phalacrocarpum hoffmannseggii (Samp.) M.Laínz
Planta perene (tipo biológico: caméfito) da família Asteraceae, com hábito muito semelhante ao da congénere Phalacrocarpum oppositifolium, mas que apresenta folhas bem menos recortadas, característica que mais facilmente permite distinguir as duas espécies.
Distribuição: Endemismo ibérico, com ocorrência limitada em Portugal ao Nordeste trasmontano. 
Ecologia/habitat: afloramentos rochosos, taludes e encostas pedregosas, em substrato granítico ou, preferentemente, xistoso, a altitudes desde 500 a 1400m.
Floração: de Abril a Julho.
(Local e data: Serra da Nogueira (Trás-os-Montes); 5 - Junho 2018)
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

"Silene-duriense" (Silene boryi var. duriensis)





"Silene-duriense" (Silene boryi var. duriensis Samp.)
Erva rizomatosa, perene, densamente glandulosa;  caules ramificados na base, com 15 a 35 cm; folhas lineares, ovado-lanceoladas ou elíptico-lanceoladas; flores (com cálice truncado na base, densamente glanduloso; pétalas com limbo bífido, branco-amarelado ou rosado) agrupadas em dicásios paucifloros, por vezes reduzidos a uma única flor; fruto (cápsula) ovóide.
Tipo biológico: hemicriptófito;
FamíliaCaryophyllaceae;
Distribuição:  "endemismo ibérico restrito à bacia hidrográfica do rio Douro, cuja presença atual em Portugal se confirma apenas em dois núcleos em Trás-os-Montes (Paradela e Bemposta)" (Fonte)
Ecologia/habitat: taludes, fendas de rochas e locais pedregosos nas margens do Douro ou no leito de cheia, sobre solos graníticos ou xistosos a altitudes entre 300 a 400 m.
Floração: de Abril a Junho.
Estatuto de Conservação: figura na Lista Vermelha da Flora Vascular de Portugal Continental,onde lhe é atribuída a categoria de ameaça (IUCN) de "Em Perigo".
[Local e data  do avistamento: Vale do Douro Internacional em Bemposta, concelho de Mogadouro (Trás-os-Montes); 3 - Junho - 2018]
(Clicando sobre as imagens, amplia)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Rumex intermedius

 



Rumex intermedius DC.
Planta perene, geralmente papilosa, com cepa grossa e lenhosa; caule erecto, único ou múltiplo que pode atingir até 75 cm: folhas com formas variadas (longamente pecioladas as basais; brevemente as caulinares médias; semiamplexicaules as caulinares superiores, umas e outras em geral com margens onduladas); flores agrupadas em inflorescências ramificadas, mais ou menos densas.
Tipo biológico: caméfito:
Família: Polygonaceae;
Distribuição: Centro e Oeste da Região Mediterrânica Europeia, admitindo-se também como provável a sua ocorrência no Noroeste de África (Marrocos)
Em Portugal é dado como ocorrendo no Algarve, Alto e Baixo Alentejo, Estremadura e Trás-os-Montes.
Ecologia/habitat: ladeiras, taludes, orlas de campos agrícolas, clareiras de carvalhais e dunas litorais, em substratos siliciosos ou calcários, a altitudes até 1520m. 
Floração: de Março a Junho.
[Local e data: Praia da  Carrapateira, concelho de Aljezur (Algarve); 20 - Março - 2013 (fotos 1 e 3) e 10 -  Março 2019 (fotos 2 e 4)]
(Clicando sobre as imagens, amplia)

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Erva-cicutária (Anthriscus sylvestris)







Erva-cicutária * [Anthriscus sylvestris) (L.) Hoffm.**]
Erva perene, algo hirsuta, que se renova a partir de gemas formadas na axila das folhas basais; raiz axonomorfa; caules com 40 a 150 cm, fistulosos, pulverulentos; folhas bi ou tri-penatissectas; umbelas com 6 a 12 raios; umbélulas com 4 a 8 flores hermafroditas: corola com pétalas brancas inteiras (pormenor que contribui para distinguir esta espécie da muito semelhante Chaerophyllum temulum que tem pétalas fendidas, como oportunamente se salienta aqui); bractéolas ovadas, aristadas, ciliadas, patentes ou reflexas; frutos oblongo-ovóides, negros na maturação; mericarpos lisos com estrias pouco marcadas.
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Apiaceae (Umbelliferae)
Distribuição: Europa; zona temperada da Ásia e Norte de África.
Ecologia/habitat: prados, orlas e clareiras de bosques, em locais mais ou menos nitrificados, com alguma humidade, a altitudes até 1900 m.
Floração: de Abril a Julho.
*Outros nomes comuns: Cicutária-dos-prados; Cicutária-dos-bosques; Cicuta.
** Sinonímia: Chaerophyllum sylvestre L.(Basónimo)
[Local e data: Vimioso (Trás-os-Montes); 1 - Junho - 2018]
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Inaugurando a época das orquídeas silvestres em 2021: Salepeira-grande (Himantoglossum robertianum)




Salepeira-grande [Himantoglossum robertianum (Loisel. ) P. Delforge; sin.: Barlia robertiana (Loisel.) Greuter]
(Local e data do avistamento: dunas a sul da Costa da Caparica; 13 - Janeiro - 2021)
(Clicando nas imagens, amplia)

sábado, 9 de janeiro de 2021

Ranunculus gregarius





Ranunculus gregarius Brot.
Erva vivaz, com 7 a 25 cm; com pilosidade patente na base e adpresa na parte superior;  raízes tuberosas ovóides;  caules erectos, em geral, unifloros; flores basais heteromorfas, inteiras, dentadas ou tripartidas, com pecíolo pouco maior que o limbo; flores amarelas com até 2 cm de diâmetro; frutos cilíndricos; aquénios comprimidos com pico direito, erecto-patente.
Família: Ranunculaceae;
Tipo biológico: geófito;
Distribuição: planta endémica da Península Ibérica, distribuindo-se em Portugal pelo Algarve, Baixo Alentejo,  Ribatejo, Estremadura  Beira Baixa, Beira Alta e Beira Litoral.
Ecologia/habitat: pastagens, clareiras de matos, em locais mais ou menos sombrios, em terrenos calcários ou siliciosos, a altitudes até 900m.
Floração: de Março a Julho.
[Local e data: Arrifana - Aljezur (Algarve); 10 - Março - 2019]
(Clicando sobre as imagens)

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Plantas ornamentais: Dombéia (Dombeya wallichii)



Dombéia * [Dombeya wallichii (Lindl.) Benth. ex Baill.**]
Arbusto ou pequena árvore de copa larga que pode atingir até cerca de 7 m. de altura. Possui folhas grandes, aveludadas, aproximadamente cordiformes;  flores cor-de-rosa, perfumadas, agrupadas em inflorescências pendentes, globosas, longamente pedunculadas.
Tipo biológico: fanerófito;
Família: Malvaceae;
Distribuição: planta originária de Madagascar, entretanto introduzida para fins ornamentais, em numerosas regiões do globo, incluindo em Portugal, onde, inclusive, foi criado, no Jardim Botânico de Lisboa, por Henri Cayez, um híbrido (Dombeya × cayeuxii) resultante do cruzamento entre Dombeya wallichii et Dombeya burgessiae (fonte)
* Outros nomes comuns: Astrapéia; Flor-de-abelha.
** Sinonímia: Astrapaea wallichii Lindl. (basónimo); Assonia wallichii (Lindl.) Kuntze; Astrapaea penduliflora DC.; Dombeya penduliflora (DC.) M.Gómez.
[Local e data da obtenção das fotos: Parque da Paz (Almada); 18 - Dezembro - 2017]
(Clicando sobre as imagens, amplia)

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Centaurea sphaerocephala



Centaurea sphaerocephala L.
Erva perene, multicaule, subarbustiva, inerme, com excepção dos apêndices espinhosos das brácteas involucrais; caules procumbentes, com folhas ao longo de quase todo o comprimento, podendo este atingir cerca de 110cm. 
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Asteraceae / Compositae;
Distribuição: Sul da Europa (Península Ibérica, Córsega, Sardenha, Itália e Grécia) e Norte de África (Marrocos, Argélia, Tunísia e Líbia).
Em Portugal Continental tem ocorrência limitada ao Algarve, Baixo Alentejo e Estremadura.
Ecologia/habitat: dunas e clareiras de matos, em solos arenosos, próximos do litoral, a altitudes até 100m.
Floração: de Fevereiro a Julho.
[Local e data: Sagres (Algarve); 22 - Maio - 2015]
(Clicando nas imagens, amplia)