segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Cleome violacea






Cleome violacea L.
Erva anual (tipo biológico: terófito) da família Cleomaceae (ordem Brassicales), com caules que podem elevar-se até 60cm, erectos, bastante ramificados e muito finos e, por via disso, difíceis de fotografar. Eu que o diga.
Distribuição: Península Ibérica e Norte de África. Em Portugal, embora aparentemente não seja muito comum, e digo aparentemente, porque a planta pode facilmente passar despercebida, distribui-se por quase todo o território do Continente. Apenas não ocorre no Douro Litoral e no Minho.
Ecologia: terrenos arenosos ou pedregosos, cultivados ou em pousio, a altitudes até 1400m.
Floração: de Abril a Outubro.
(Local e data: Salvaterra do Extremo (concelho de Idanha- a-Nova); 29 - Agosto - 2015)

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Recapitulando: Erva-do-salepo (Orchis morio)

Erva-do-salepo (Orchis morio L. *)
*Sinonímia: Orchis champagneuxii Barnéoud
(Local e data: Batocas- Aldeia da Ponte (Sabugal); 1 - Maio - 2015)
(Clicando na imagem, amplia)

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Geranium pyrenaicum subsp. lusitanicum

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

(6)

(7)

(8)
Geranium pyrenaicum Burm.f. subsp. lusitanicum (Samp.) S.Ortiz  *
Erva perene, rizomatosa, com caule erecto, ramificado, piloso (pêlos glandulíferos e não glandulíferos) que pode atingir até cerca de 110 cm; folhas palmatipartidas; flores onde predomina a cor púrpura (pétalas, estigma e anteras).
Tipo biológico: hemicriptófito;
Família: Geraniaceae;
Distribuição: Planta endémica da Península Ibérica. A distribuição em Portugal está limitada às regiões da Beira Baixa, Beira Alta, Trás-os-Montes, Douro Litoral e Minho (todas a norte do rio Tejo) e Alto Alentejo (a única a sul do mesmo rio).
Ecologia/habitat: taludes; bermas de estradas e caminhos; pastagens; terrenos cultivados e incultos; e galerias ripícolas, a  altitudes entre 400 e 1850m.
Floração: de Maio a Julho.
[Locais e datas: Fajão (Pampilhosa da Serra) 26 - Maio - 2014 (fotos 1, 2, 4, 5 e 6) - Aldeia de Santo António (Sabugal); 27 - Maio - 2014 (fotos restantes)] 
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Antirrhinum onubense






Antirrhinum onubense (Fern.Casas) Fern.Casas *  
Erva perene, geralmente glabra, glandular-pubescente apenas ao nível da inflorescência, com caule, (25 a 120cm.), ascendente ou erecto, muito ramificado.
Tipos biológicoscaméfito; hemicriptófito;
FamíliaPlantaginaceae;
Distribuição: Endemismo ibérico, com distribuição limitada ao Sudoeste da Península Ibérica. Em Portugal, ocorre apenas na região do Algarve.
Ecologia/habitat: Fendas de rochas, terrenos pedregosos, muros, cascalheiras e bermas de estradas e caminhos, em substratos calcários. xistosos ou graníticos, a altitudes até 700m.
Floração: de Março a Julho.
*SinonímiaAntirrhinum meonanthum subsp. onubense Fern. Casas (Basónimo)
(Local e data: Rocha da Pena - Algarve; 21 - Maio - 2015)

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Pampilho-espinhoso (Pallenis spinosa subsp. spinosa)









Pampilho-espinhoso [Pallenis spinosa (L.) Cass. subsp. spinosa]
Erva anual ou vivaz, erecta, algo lenhosa na base, densamente pelosa (revestida com pêlos finos e compridos) geralmente ramificada na parte superior, com os ramos laterais superando, frequentemente, em altura, o ramo principal, apresentando folhas alternas, lanceoladas ou elípticas; flores amarelas, umas liguladas, femininas, dispostas em duas filas e outras tubulares, hermafroditas, formando o centro do disco, umas e outras agrupadas em capítulos solitários, terminais, protegidos por duas filas de brácteas involucrais, destacando-se nas exteriores a existência de espinhos apicais.
Tipos biológicos: terófito ou hemicriptófito;
Família: Asteraceae/Compositae
Distribuição: Região Mediterrânica e Macaronésia (Canárias).
Em Portugal encontra-se em quase  todo território do Continente. Prováveis excepções: Minho e Douro Litoral. Inexistente nos arquipélagos da Madeira e dos Açores.
Ecologia/habitat: clareiras de matos, terrenos incultos e baldios, bermas de estradas e caminhos, em locais secos, por vezes pedregosos, com boa exposição solar, a altitudes até 1500m. 
Floração: de Fevereiro a Agosto.
[Local e data: Serra de Candeeiros; 10 - Maio - 2013 (fotos 1, 6 e 7); Quinta da Raposeira - Costa da Caparica; 21 - Fevereiro - 2016 (fotos restantes)]

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Dorycnium rectum

(1)

(2)

(3)

(4)

(5)

 (6)

 (7)

(8)
Dorycnium rectum (L.) Ser.*
Erva perene (com 30 a 200cm) algo lenhosa na base, com caules erectos ou ascendentes muito ramificados.
Tipo biológico: Caméfito;
Família: Fabaceae;
Distribuição: Região Mediterrânica.
Em Portugal ocorre apenas no território do Continente, designadamente no Algarve, Baixo Alentejo, Estremadura, Ribatejo e Beira Litoral.
Ecologia/habitat: margens de cursos de águas, preferentemente em substratos básicos, a altitudes até 1300m.
Floração: de Maio a Agosto.
*Sinonímia:Lotus rectus L.(Basónimo
[Locais e datas; Alte (Algarve) 21 - Maio - 2015 (fotos 1, 4, 5 e 6 ): Almada  25 - Junho - 2010 ( fotos restantes)]
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Erva-divina (Armeria welwitschii)




Erva-divina ou Raiz-divina (Armeria welwitschii Boiss.)
Subarbusto que pode atingir até cerca de 50cm.
Tipo biológico: Caméfito:
Família: Plumbaginaceae;
Distribuição: Endemismo lusitano, com ocorrência limitada ao litoral de Portugal Continental, desde o Cabo Mondego até Cascais.
Ecologia/habitat: areais costeiros e  arribas litorais.
Floração: de Março a Julho.
(Local e data: Praia da Consolação- Peniche; 9 - Março - 2015)
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Narcissus triandrus subsp. pallidulus

(1)

 (2)

(3)

(4)
Narcissus triandrus L. subsp. pallidulus (Graells) Rivas Goday 
Ocorrem em Portugal duas subespécies de Narcissus triandus: a nominal, N. t. triandrus e a N. t. pallidulus, que presumo ser a que se encontra representada nas imagens supra.
Várias características permitem distinguir as duas subespécies, com destaque para (i) a cor das flores (amarelo vivo para a subespécie triandrus; amarelo pálido para a subespécie pallidulus) (ii) o número e forma das folhas (2 ou 3, com secção trapezoidal, na subespécie triandrus; em geral, 1 só, com secção semicircular, no caso da subespécie pallidulus). A Flora Iberica além das apontadas caraterísticas diferenciadoras menciona ainda o diverso comprimento das tépalas externas (mais compridas do que o tubo no caso da subespécie nominal e menos compridas do que o tubo no caso da subespécie pallidulus.)
Tipo biológico: Geófito;
FamíliaAmaryllidaceae;
Distribuição: A subespécie em questão (Narcissus triandrus subsp. pallidulus) é um endemismo ibérico que, em Portugal, se pode encontrar em boa parte do território do Continente (designadamente no Alto Alentejo, Ribatejo, Beira Baixa, Beira Alta, Beira Litoral e Trás-os-Montes).
Ecologia/habitat: prados, clareiras de matos, bosques com boas abertas e locais rochosos, a altitudes entre 150 e 1800m.
Floração: de Fevereiro a Maio.
(Locais e data: concelho de Almeida (fotos 1 e 4); concelho de Idanha-a-Nova (fotos 2 e 3); em 9 - Fevereiro - 2016)

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Cosentinia vellea






Cosentinia vellea (Aiton) Tod.*
Feto com rizoma curto, frondes com abundante lanugem (de início esbranquiçada, ferrugínea com o decorrer do tempo) cobrindo as duas faces da  lâmina (muito maior que o pecíolo) com pínulas inteiras ou, como é o caso dos exemplares apresentados, profundamente lobadas,  neste caso, com lóbulos arredondados.
Tipo biológico: Geófito;
FamíliaPteridaceae;
Distribuição: Região Mediterrânica; Macaronésia (em parte);  Ásia (desde o Ocidente até aos Himalaias)
Em Portugal está presente no arquipélago da Madeira e em parte do território do Continente (Algarve, Baixo Alentejo, Estremadura e Trás-os-Montes) 
Ecologia/habitat: Fendas e cavidades de rochas, em locais secos a altitudes até 1000m. 
Observação: Esta espécie tem a propriedade rara de suportar "a desidratação completa dos tecidos por períodos prolongados sem danos irreversíveis a nível celular" e a capacidade de, com a reidratação, retomar "toda a sua actividade metabólica" (fonte)
Fase reprodutora: ao longo de todo o ano.
*Sinonímia: Acrostichum velleum Aiton (Basónimo)
(Local e data: concelho de Freixo de Espada à Cinta; 8 - Fevereiro - 2016)
(Clicando nas imagens, amplia)