quarta-feira, 30 de junho de 2010

Selo-de-salomão (Polygonatum odoratum)


Selo-de-salomão [Polygonatum odoratum (Mill.) Druce]
Planta da família Ruscaceae é considerada originária da Europa e da Ásia. Segundo os sítios consultados, o Selo-de-salomão dá-se bem em terrenos húmidos e sombrios, o que é confirmado pelo local (Mata da Margaraça - Serra do Açor) onde a fotografei. Pelo que vejo, é uma planta tóxica.
(Sinónimos: Convallaria polygonatum sensu Brot.; Polygonatum ambigum Link; Polygonatum odoratum (Mill.) Druce var. ambiguum (Link) Rothm. et P. Silva; Polygonatum officinale All.; Polygonatum officinale All. var. ambigum (Link) Henriq.; Polygonatum vulgare Desf.)
(Local e data: Mata da Margaraça; 11-Junho-2010)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 29 de junho de 2010

Hipericão-do-gerês (Hypericum androsaemum)


O Hipericão-do-gerês (Hypericum androsaemum L.) também designado por  Androsemo,  Erva-da-pedraErva-mijadeira é uma planta da família Hypericaceae, distribuindo-se pela Europa ocidental e do sul até ao Próximo Oriente. Ocorre em vales húmidos e até frequentemente no curso de pequenos regatos. Em Portugal, a sua distribuição encontra-se limitada a algumas regiões no centro e  norte do país.
Tem aplicação em fitoterapia, sendo indicado no tratamento de doenças hepáticas, sob a forma de infusão das suas partes floridas.
(Local e data: Mata da Margaraça - Serra do Açor; 11-Junho-2010)
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 22 de junho de 2010

Plantas ornamentais: Ave-do-paraíso (Strelitzia nicolai)

(Strelitzia nicolai Regel & K.Koch)
Esta planta da família Strelitziaceae, originária da região nordeste da Província do Cabo (África do Sul) foi introduzida noutras regiões do globo como planta ornamental. Em Portugal, é conhecida pelo nome comum Ave-do-paraíso.
(Clicando na imagem, amplia)

sábado, 19 de junho de 2010

Azedas (Rumex acetosa)

Azedas (Rumex acetosa L.)
Esta planta, da família Polygonaceae, é também conhecida por outros nomes vulgares tais como Erva-vinagreira e Vinagreira. Na minha região, todavia, onde se encontra com frequência, é conhecida pela designação de Azedas e é como tal que pessoalmente a conheço.  Distribui-se pela Europa, Ásia e América do Norte e surge habitualmente em terrenos húmidos. Em Portugal surge sobretudo no território a Norte do Tejo, em zonas de "lameiros". 
As suas folhas são comestíveis, mesmo em natureza e embora algo ácidas têm um sabor muito agradável. Tal é, pelo menos, a recordação que guardo da sua degustação, nos tempos da minha infância e juventude.
(Clicando na imagem, amplia)

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Espadana-da-água (Sparganium erectum)

(A planta)

(Inflorescências masculinas (mais pequenas e em cima) e femininas]
A Espadana-da-água (Sparganium erectum L.) é uma planta da família Sparganiaceae, nativa da Europa, Ásia e Norte de África e, alegadamente encontra-se também naturalizada na Austrália. É uma planta tipicamente ripícola, surgindo geralmente nas margens lodosas de cursos de água.
[Local e data: Rio Côa - Rapoula do Côa  (Sabugal); 15 e 16-Junho-2010]
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Labaça-crespa (Rumex crispus)

(A planta)

(Pormenor)
Considerada originária da Europa e da Ásia Ocidental,  a Labaça-crespa (Rumex crispus L.) (planta da família Polygonaceae) encontra-se naturalizada em muitas outras regiões do mundo, desde a América do Norte e América do Sul até à Nova Zelândia e  Austrália, sendo nalgumas dessas regiões considerada como planta invasora (Fonte). Em Portugal distribui-se por todo o território. Prefere terrenos húmidos, como relvados e lameiros, gostos que, aliás, partilha com outras espécies do mesmo género (Rumex).
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 8 de junho de 2010

Junção (Cyperus eragrostis)


Junção (Cyperus eragrostis Lam.)
Originária da América do Sul, esta planta da família Cyperaceae, foi introduzida na Europa e também em Portugal, provavelmente, para fins ornamentais, dado que é frequente encontrá-la a desempenhar essa finalidade em parques e jardins. Encontra-se naturalizada em Portugal, surgindo espontânea em relvados e em terrenos húmidos. Embora naturalizada, não deixa de lhe ser atribuído potencial invasor.
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Hipericão ( Hypericum perforatum)

 (A planta)

(A flor)

Planta da família Clusiaceae, o Hipericão (Hypericum perforatum L.) também designado por Erva-de-são-joão e Milfurada, é originário da Europa, Ásia e Norte de África, tendo sido introduzido na América do Norte, onde se encontra naturalizado. Em Portugal distribui-se por todo o território, onde ocorre, principalmente, em terrenos incultos, desenvolvendo-se mesmo em terrenos com pouca humidade. É também frequente encontrar-se à beira dos caminhos. Floresce de Maio a Outubro.
É usado em fitoterapia, sendo indicado no tratamento de situações de ansiedade, depressão e agitação, bem como no tratamento exterior de queimaduras ligeiras e de mialgias.
(Clicando nas imagens, amplia)

domingo, 6 de junho de 2010

Bico-de-pomba-menor (Geranium molle)


(Foto 1: Aspecto geral)

(Foto 2: Folhas - pormenor)

(Foto 3:  Flor - pormenor)
Designada entre nós por Bico-de-pomba-menor, esta planta da família Geraniaceae, com a designação científica de Geranium molle L., é originária da Europa e da Ásia, tendo sido introduzida na América do Norte, onde, nalgumas regiões, é actualmente considerada planta daninha.
É uma planta vulgar em Portugal, onde se distribui por todo o território, encontrando-se com frequência à beira dos caminhos (v. foto 1). Tal facto é tão vulgar que a planta até é designada em Espanha por  Geranio de los caminos. Normalmente encontra-se associada a outras plantas do mesmo género (Geranium), e designadamente ao Geranium rotundifolium, do qual nem sempre é fácil distingui-la, pois as folhas das  duas plantas apresentam claras semelhanças. Dissemelhantes são, no entanto, as flores, pois as pétalas da flor do Geranium rotundifolium não apresentam o entalhe profundo das pétalas da flor do Geranium molle.
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Queiró (Erica umbellata)

(Aspecto geral)

(Flores - pormenor)
Respondendo pelos nomes de Queiró, Queiroga, Torga e Urze, esta planta da família Ericaceae (com a designação científica de Erica umbellata Loefl. ex L.; sinErica umbellata L. subsp. major (Willk.) P. Silva et Teles;  Erica umbellata L. var. subcampanulata Benth. )  distribui-se pela metade ocidental a Península Ibérica e pelo Noroeste de África.
Vê-la feliz, é nas encostas pouco húmidas, ou mesmo áridas, de solos predominantemente xistosos, mesmo que aí tenha que sofrer a concorrênca de outros arbustos (como a esteva, a carqueja ou os tojos) ou mesmo de árvores, como os pinheiros e eucaliptos.
Floresce de Março a Agosto.
(Local e data: Troviscal - Sertã; 19-Maio-2010)
(Clicando nas imagens, amplia)

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Fumária-maior (Fumaria capreolata)


Vá lá saber-se porquê, mas Catarinas-queimadas e Erva-das-candeias são duas das designações populares atribuídas a esta planta da família Fumariaceae (com o nome científico de Fumaria capreolata L.) planta que também dá pelos nomes de Erva-moleirinha-maior e Fumária-maior, estes a não carecerem de grande explicaçãoFumária-maior deriva da designação científica do mesmo género e Erva-moleirinha é também a designação popular comum  para o género Fumaria.
A sua distribuição encontra-se, segundo uns, limitada à Região Mediterrânica e ao Sudoeste da Europa e, segundos outros, à área mediterrânica e às zonas temperadas da Ásia, mas o certo é que, de acordo com outras fontes, ela é espontânea noutras regiões ou países tão distantes entre si como a Austrália, ou o Chile, por exemplo. Não será, por isso, ousado afirmar que a planta tem ampla distribuição mundial.
O que se sabe também é que a Fumária-maior, à semelhança, aliás, de outras plantas do mesmo género não é particularmente benquista dos agricultores que a consideram como "infestante de numerosas culturas herbáceas e culturas arbóreas" (Fonte). Ainda de acordo com a mesma fonte, germina no Inverno e Primavera e floresce desde a Primavera até ao Verão. Em matéria de solos, diria eu que a planta não é particularmente exigente, preferindo, em todo caso, terrenos com alguma humidade.
(Clicando nas imagens, amplia)

terça-feira, 1 de junho de 2010

Aipo-dos-cavalos (Smyrnium olusatrum)

(Aspecto antes da floração)

(Durante a floração)

(Pormenor da folha)

(Inflorescência)

O Aipo-dos-cavalos, ou Salsa-de-cavalo (Smyrnium olusatrum L.) é uma planta da família Apiaceae, originária da Europa meridional (Grécia, Itália, França, Portugal, Espanha e países da ex-Jugoslávia) do Norte de África (Marrocos, Argélia e Tunísia) e da Ásia (Turquia, Chipre, Israel, Líbano e Síria) (Fonte).
A planta encontra-se, no entanto, mais amplamente difundida, até porque é usada como planta ornamental. Como planta espontânea desenvolve-se sobretudo em relvados húmidos e à beira de caminhos onde haja alguma humidade. Estão neste último caso as plantas fotografadas.
Ao que parece, a sua designação, em vernáculo, fica a dever-se ao facto de ser muito apreciada, enquanto alimento, pelos cavalos (Fonte).
Para além da sua utilização como planta ornamental e como alimento para animais, as folhas jovens e os rebentos também podem ser usados como legumes e como aromatizantes na alimentação humana (Fonte).
(Clicando nas imagens, amplia)