terça-feira, 24 de novembro de 2009

Sophora secundiflora

(1)

(2)
Pormenor da flor (1) e dos frutos (2) da Sophora secundiflora Lag., planta originária do México e do Estados Unidos (Texas) e que pode atingir cerca de 15 metros. É utilizada como planta ornamental, não apenas nos lugares de origem.
Classificação: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Fabales; Família: Fabaceae; Género: Sophora; Espécie; Sophora secundiflora .
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Planta-espelho (Coprosma repens)

(Clicando, amplia)
Esta planta vulgarmente designada por Planta-espelho (com o nome científico de Coprosma repens A. Rich. ( sin. Coprosma baueriana Hook. f.; Coprosma baueri auct. non Endl. ; Coprosma retusa Hook. f; e Coprosma stockii Williams)] é originária da Nova Zelândia. É cultivada noutras paragens, incluindo em Portugal, como planta ornamental, sendo conhecidas diversas variedades.
Classificação: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Gentianales; Família: Rubiaceae; Género: Coprosma; Espécie:Coprosma repens .

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Wigandia caracasana

(Pormenor de um ramo da planta)

(A flor)

Esta planta, com a designação científica de Wigandia carcasana Humb., Bonpl. & Kunth, é conhecida pelos nomes vernáculos de "Ortiga", "Ortiga de montana" e "Tabaquera de Caracas", nos lugares de origem (Sul do México até à Venezuela e Colômbia) onde surge em sebes, moitas e à margem dos caminhos. Noutros países onde foi introduzida é cultivada como planta ornamental.
Classificação: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Solanales; Família: Hydrophyllaceae: Género: Wigandia; Espécie: Wigandia caracasana.
(Clicando nas imagens, amplia)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Alfarrobeira (Ceratonia siliqua)

(A árvore)

(Pormenor dum ramo)

(Inflorescências)

(Os frutos - alfarrobas)
A Alfarrobeira (Ceratonia siliqua L.) é uma planta originária da região mediterrânica. Em Portugal, é particularmente abundante no Algarve, região onde o seu cultivo tem ainda actualmente alguma importância económica, se bem que inferior em relação a décadas anteriores, importância económica derivada sobretudo do aproveitamento dos seus frutos (as alfarrobas) das quais se aproveitam não só as sementes (que são moídas para aproveitamento da "goma", substância utilizada em várias indústrias, desde a alimentar até à farmacêutica), mas também o resto das vagens, cuja polpa, depois de moída, é usada na alimentação humana, em confeitaria, por exemplo. A alfarroba em bruto é também usada com frequência na alimentação de animais. A sua cultura tem vindo a decrescer nos últimos anos, devido ao abandono dos campos, fenómeno que não é exclusivo do Algarve, como é sabido, mas que é patente para qualquer pessoa que visite a região, onde, mesmo à margem das estradas, são visíveis os campos abandonados e as plantas em processo de definhamento, ou mesmo já mortas. Ultimamente, no entanto, a alfarrobeira tem alargado a sua área de distribuição a outras regiões do país, graças à sua utilização como planta ornamental, em parques e jardins, onde não é infrequente encontrá-la.
Classificação: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Fabales; Família: Fabaceae; Subfamília: Caesalpinioideae; Género: Ceratonia; Ceratonia siliqua.
(Clicando nas imagens, amplia)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Saudades (Scabiosa atropurpurea)

(Clicando, amplia)
Esta planta vulgarmente conhecida pelos nomes de Saudades, Saudades-roxas, Escabiosa-dos-jardins e Saudade-dos-jardins, entre outros, com o nome científico de Scabiosa atropurpurea L. (e sin: Scabiosa atropurpurea L. var. villosa (Coss.) Franco; Scabiosa maritima L.; Scabiosa maritima L. var. amansii Rouy; Sixalix atropurpurea (L.) Greuter et Burdet; Sixalix atropurpurea (L.) Greuter et Burdet subsp. maritima (L.) Greuter et Burdet) tem a sua distribuição confinada à Região Mediterrânica e à Macaronésia, com exclusão de Cabo Verde. Em Portugal distribui-se pelas regiões Centro e Sul do país, surgindo espontaneamente em terrenos incultos e à beira de estradas e de caminhos, em zonas com alguma humidade. Também é cultivada como planta ornamental.
Classificação:Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Dipsacales; Família: Dipsacaceae; Género: Scabiosa; Espécie: Scabiosa atropurpurea.

Aditamento:




(Estas 4 fotografias acrescentadas em 24 - Janeiro - 2017)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Norça-branca (Bryonia dioica)

(A planta)

(Pormenor da flor)

Esta planta com as designações comuns de Norça-branca, Norça, Briónia, Briónia-branca, Nabo-do-diabo e Vide-branca, entre outros [com o nome científico de Bryonia dioica Jacq.; sin: Bryonia cretica L. subsp. dioica (Jacq.) Tutin ] distribui-se pelo Ocidente da Região Mediterrânica, Europa Ocidental e Sudoeste da Ásia. Em Portugal, surge espontânea por todo o território do Continente, sendo possível encontrá-la em matos em terrenos com alguma humidade, nas margens de cursos de água e mesmo enleada em sebes e arbustos à beira dos caminhos. Em algumas regiões do país, os seus talos mais tenros, são utilizados (ainda que tal prática não esteja muito difundida) em culinária, designadamente na confecção de omeletas, servindo também de acompanhamento de outros pratos.
Classificação: Divisão: Magnoliophyta; Classe: Magnoliopsida; Ordem: Cucurbitales; Família Cucurbitaceae; Género: Bryonia; Espécie: Bryonia dioica.
(Clicando nas imagens, amplia)